Pessoas com depressão e ansiedade percebem melhora na insônia com uso de maconha

baseado bud frasco Pessoas com depressão e ansiedade percebem melhora na insônia com uso de maconha

De acordo com um novo estudo canadense que analisou o uso de cannabis e melhorias autorrelatadas de pacientes registrados em um aplicativo móvel

Muitos indivíduos com depressão, ansiedade ou ambas as condições que usam cannabis para insônia relatam melhorias significativas na gravidade dos sintomas após o uso da planta, de acordo com novos dados publicados na BMC Psychiatry.

Uma equipe de pesquisadores canadenses examinou dados de 100 participantes com depressão, 463 participantes com ansiedade e 114 participantes com ambas as condições, que gerenciam os sintomas de insônia com o uso de cannabis.

Os participantes autoadministraram produtos de maconha, como flores e óleos, e relataram alterações nos sintomas da insônia em tempo real em um aplicativo móvel. Os pesquisadores analisaram relatórios de mais de 8.400 sessões de uso de cannabis registradas entre fevereiro de 2017 e fevereiro de 2020.

Os resultados mostram que a cannabis pareceu ajudar significativamente os participantes no grupo de depressão com menos de 45 anos, mas não foi muito eficaz para os indivíduos acima dessa faixa etária. Enquanto para os participantes na condição de ansiedade o uso de maconha pareceu ajudar os sintomas em todas as idades. No grupo de participantes com ansiedade e depressão, a cannabis também foi benéfica para todas as idades.

Leia também: Grandes doses de cannabis podem ajudar na depressão resistente ao tratamento

No grupo de depressão, os investigadores observaram que as variedades de maconha dominantes em CBD eram menos eficazes do que outras. Já entre os participantes com ansiedade e comorbidade, todas as variedades foram percebidas como eficazes.

Os pesquisadores observam no artigo que o estudo possui algumas limitações, como o fato de os dados terem se baseado em condições e sintomas autorrelatados subjetivamente pelos indivíduos, implicando em uma falta de clareza sobre se todos os participantes atendem aos critérios completos de diagnóstico. Além disso, o estudo examinou as categorias de variedades de cannabis, embora as diferenças entre as categorias permaneçam amplamente controversas.

“Apesar de suas limitações, este estudo é fortalecido por sua grande amostra naturalista. Os indivíduos também foram solicitados a registrar o uso de cannabis em seus ambientes diários, maximizando a validade ecológica do estudo. Como tal, grandes estudos de saúde móveis desse tipo são consideravelmente mais convenientes e fornecem informações em tempo real”, escreveram os autores. “Embora na vida real muitas pessoas relatem o uso de cannabis para depressão, ansiedade e insônia, essa área de pesquisa ainda é relativamente escassa. Como tal, os resultados do estudo naturalista podem fornecer uma melhor compreensão dos perfis de uso de cannabis para insônia, fornecendo informações valiosas para futuros ensaios projetados para avaliar a eficácia e a segurança da cannabis para fins terapêuticos.”

Leia mais: Saúde e bem-estar estão entre as principais razões para o uso de maconha nos EUA

Um estudo separado realizado por pesquisadores da Escola de Medicina de San Diego da Universidade da Califórnia, nos EUA, revelou que dor, insônia e ansiedade foram os motivos mais comuns para o uso de cannabis por idosos.

O estudo, publicado em 7 de outubro de 2020, no Journal of the American Geriatrics Society, descobriu que 15% dos 568 pacientes pesquisados haviam usado maconha nos últimos três anos, com metade dos usuários relatando o uso regular e principalmente para fins médicos.

Os pesquisadores também descobriram que 61% dos pacientes que usaram cannabis iniciaram o uso após os 60 anos.

Um terceiro estudo, publicado em setembro do ano passado na Frontiers in Psychiatry, investigou os efeitos da cannabis entre pacientes clinicamente deprimidos e/ou ansiosos.

Os autores descobriram que os pacientes que estavam usando maconha medicinal no início do estudo tiveram escores de depressão mais baixos do que os não usuários, enquanto os não usuários iniciaram o uso de cannabis durante o período de acompanhamento experimentaram uma redução nos sintomas de ansiedade e depressão.

Leia também:

Medicamentos de cannabis proporcionam redução de curto prazo na dor crônica, diz estudo

#PraTodosVerem: foto mostra dois baseados e uma seda aberta contendo cannabis triturada junto a uma porção de buds de maconha, além de um frasco âmbar, um dichavador dourado e um estetoscópio azul, sobre uma superfície marmorizada em tons de cinza. Hemp photo created by jcomp – www.freepik.com

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!