Uso ocasional de cannabis está associado a melhor função cognitiva em idosos que vivem com HIV

Foto mostra duas mãos vindas das laterais da imagem e se encontrando ao centro, enquanto passam um cigarro de cannabis, em fundo embaçado. Fotografia: Pexels / Rodnae Productions.

Estudo revelou que o uso ocasional de cannabis está associado a uma melhor função cognitiva em idosos que vivem com a doença

Idosos que têm um histórico de consumo ocasional de cannabis apresentam melhor desempenho cognitivo em comparação aos não usuários, de acordo com dados longitudinais publicados no periódico AIDS and Behavior.

Pesquisadores afiliados à Universidade da Califórnia, em San Diego, avaliaram o impacto de longo prazo do uso de cannabis na cognição em um grupo de 297 adultos mais velhos vivendo com HIV. O grupo consistiu em consumidores frequentes de cannabis (aqueles que consumiam maconha várias vezes por semana), consumidores ocasionais (aqueles que consumiam cannabis uma vez por semana ou menos) e não usuários. Os pesquisadores avaliaram o desempenho cognitivo dos participantes ao longo de um período de dez anos.

Os autores do estudo determinaram que aqueles com histórico de uso ocasional tiveram o melhor desempenho dos três grupos. Eles também observaram que o uso frequente de cannabis não foi associado a nenhum declínio no desempenho cognitivo durante o período do estudo.

Os autores relataram: “Em uma coorte longitudinal bem caracterizada de adultos mais velhos com HIV, descobrimos que o uso ocasional de cannabis na vida adulta estava associado a uma melhor cognição global em comparação ao não uso de cannabis, uma descoberta potencialmente importante considerando a maior vulnerabilidade dessa população ao comprometimento cognitivo. Além disso, o uso frequente de cannabis não se relacionou a uma pior cognição global durante o acompanhamento do estudo, … sugerindo que o uso de cannabis dentro das faixas observadas neste estudo não é um fator de risco para um declínio precoce em nenhum domínio cognitivo.”

Leia também: Idosos que usam maconha para tratar a dor não têm função cognitiva afetada, diz estudo

Eles concluíram: “Até onde sabemos, este estudo é o primeiro a caracterizar os padrões longitudinais de uso atual de cannabis e desempenho cognitivo global ao longo do tempo em uma coorte de adultos mais velhos com HIV. Não encontramos evidências de que o uso de cannabis influencie o risco de declínio cognitivo ou funcional… Mais pesquisas mecanísticas são necessárias para investigar essa descoberta positiva e determinar se os canabinoides têm potencial terapêutico no tratamento da neuroinflamação cronicamente elevada e na redução de problemas cognitivos associados ao HIV.”

Dados de pesquisas, publicados no portal Norml, indicam que até um terço dos pacientes com HIV relatam o consumo de cannabis para aliviar a dor neuropática, a ansiedade, a perda de apetite, a náusea e outros sintomas. Estudos mostraram que a maconha pode aliviar a neuropatia relacionada ao HIV e outros sintomas sem afetar adversamente a contagem de células T dos pacientes.

Leia também:

Cannabis e HIV: como uma mulher quebra estigmas semeando conhecimento

Foto de capa: Pexels / Rodnae Productions.

mm

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!