Uso fumado de maconha rica em THC é eficaz na redução da dor lombar, diz estudo

Fotografia mostra as mãos de uma pessoa que segura as duas partes de um dichavador vermelho contendo buds de maconha. Imagem: Unsplash | Elsa Olofsson.

Pesquisadores do Centro Médico Rabin e da Universidade de Haifa, em Israel, descobriram que a administração de flores de cannabis em forma de cigarros melhorou significativamente os sintomas da lombalgia crônica

Considerando que a cannabis está se tornando uma modalidade de tratamento aceitável na medicina, e que seu o uso está se tornando mais prevalente em todo o mundo, uma equipe de pesquisadores israelenses realizou um estudo observacional para investigar a eficácia da maconha no alívio da dor lombar crônica.

Os pesquisadores descobriram que o uso fumado de cannabis rica em tetraidrocanabinol (THC) mostrou ser uma terapia eficaz e segura para a lombalgia.

As descobertas, publicadas recentemente no Rambam Maimonides Medical Journal, mostram ainda que as flores de maconha fumadas foram mais eficazes para o tratamento da lombalgia do que o uso de extrato sublingual rico em canabidiol (CBD).

Leia também: Estudo associa uso de flores de maconha a melhorias na qualidade de vida em autistas

Os dois tipos de tratamento com cannabis foram administrados a uma coorte de 24 pacientes (sete mulheres e 17 homens) cujos exames de tomografia computadorizada ou ressonância magnética da coluna mostraram hérnia de disco ou estenose espinhal.

A primeira modalidade foi o tratamento com extrato sublingual rico em CBD administrado durante um período de 10 meses. Após um mês sem tratamento (washout), o mesmo grupo recebeu flores de maconha secas ricas em THC, que foram fumadas na forma de cigarros por 12 meses.

O estudo teve um bom perfil de segurança, visto que nenhum evento adverso grave foi registrado. Os eventos adversos menores relatados foram náusea, tontura e fadiga durante a fase de extrato, dor de garganta durante a fase de inalação, e sonolência durante ambas as fases, todos transitórios e desaparecendo após a tolerância à dose ser alcançada. A maioria desses efeitos adversos foi observada em pacientes do sexo feminino.

Leia mais: Uso fumado de cannabis proporciona melhora clínica em pacientes com colite ulcerosa

Apenas três pacientes abandonaram o tratamento com extrato de CBD devido ao alívio insuficiente da dor, mas retomaram a participação no estudo para receber a terapia de uso fumado rica em THC.

O alívio da dor não foi significativo durante o tratamento com extrato sublingual, mas foi expressivo durante a terapia fumada.

“Nossas descobertas indicam que a terapia inalada rica em THC é mais eficaz do que a terapia com extrato sublingual rico em CBD para o tratamento da dor lombar e que a terapia com cannabis é segura e eficaz para a dor lombar crônica”, concluíram os pesquisadores.

O tratamento da dor com extratos de maconha sublinguais é preferido por muitos médicos, pois pode ser considerado mais fácil de consumir e tem o benefício de um regime de dosagem mais consistente, evitando os efeitos adversos do uso fumado.

Leia mais: Uso vaporizado de maconha com alto teor de THC melhora a qualidade de vida, diz estudo

Mas a experiência clínica do mundo real dos pesquisadores “indica uma relativa falta de eficiência dos tratamentos com extrato sublingual em comparação com o uso fumado”. A maioria dos pacientes israelenses parece preferir fumar cannabis para alívio da dor. Essa preferência é apoiada por dados divulgados pelo Ministério da Saúde de Israel, segundo os quais 90% das licenças emitidas para produtos medicinais de maconha são para inflorescências secas.

Atualmente, licenças de cannabis medicinal ativas foram emitidas para 110.971 israelenses, e 56,6% dessas licenças foram prescritas para tratar a dor neuropática crônica não oncológica.

Um estudo separado, financiado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, revisou a literatura científica e encontrou evidências para apoiar que dois produtos à base de THC sintético aprovados pela FDA (agência sanitária americana) forneceram benefícios provisórios no tratamento da dor neuropática.

A revisão investigou mais de 3.000 estudos em janeiro de 2022 e chegou a um total de 25 estudos com evidências cientificamente válidas sobre a eficácia de medicamentos de cannabis no tratamento da dor.

Leia também:

Loucura proibicionista: pesquisadores da UFRJ criminalizam THC em kit de diferenciação de cannabis

#PraTodosVerem: fotografia mostra as mãos de uma pessoa que segura as duas partes de um dichavador vermelho contendo buds de maconha. Imagem: Unsplash | Elsa Olofsson.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!