Universidade Estadual de Ohio (EUA) tem novo centro acadêmico para estudo de psicodélicos

cogumelos Universidade Estadual de Ohio (EUA) tem novo centro acadêmico para estudo de psicodélicos

Iniciativa interdisciplinar focada na pesquisa e educação sobre drogas psicodélicas está sediada na Faculdade de Serviço Social. Informações da Ohio State News

Um novo centro acadêmico na Faculdade de Serviço Social da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, visa preencher duas lacunas no campo florescente de estudo sobre drogas psicodélicas: focar a pesquisa em populações e distúrbios psicológicos sub-representados nos estudos atuais e preparar futuros acadêmicos e clínicos por meio de uma variedade de iniciativas educacionais interdisciplinares.

Centro de Pesquisa e Educação de Drogas Psicodélicas (CPDRE, na sigla em inglês) foi aprovado pela Faculdade de Serviço Social de Ohio em janeiro, e seu diretor, professor assistente de Serviço Social Alan Davis, assumiu oficialmente o comando em março.

Leia também: Psicodélicos podem aliviar a depressão e a ansiedade de pacientes com câncer

O novo centro foi projetado para formalizar uma rede de especialistas em toda a universidade com base em vários departamentos acadêmicos, bem como em centros existentes focados em políticas de drogas e prevenção e recuperação do uso indevido de substâncias. A designação do centro também possibilita a contratação de pesquisadores e funcionários administrativos, pós-doutorandos e pós-graduandos que ajudarão a impulsionar o trabalho.

“Criar essa infraestrutura ajuda a estabelecer um sistema de valores que molda nossos objetivos e foca nossa missão de forma estratégica — todos passos importantes, já que o tema é tão novo”, disse Davis.

“Tudo isso nos permite demonstrar como somos capazes, como grupo de pesquisadores e instrutores, de utilizar melhor os recursos para trabalhos futuros, o que nos prepara para sermos competitivos em financiamentos futuros”.

Davis chegou ao estado de Ohio em 2019 com experiência em pesquisa em psicodélicos depois de concluir uma bolsa de pesquisa de pós-doutorado no Centro de Pesquisa Psicodélica e da Consciência da Universidade Johns Hopkins. Ele ainda é afiliado ao centro da Hopkins, e detém uma nomeação adicional do corpo docente da Universidade Estadual de Ohio no Departamento de Psiquiatria e Saúde Comportamental.

Leia mais: Como as drogas psicodélicas funcionam em nosso cérebro?

Jason Slot, professor associado de genômica evolutiva de fungos no Departamento de Fitopatologia, é o diretor de iniciativas educacionais do CPDRE. Slot estuda a evolução e a ecologia das cerca de 300 espécies de cogumelos que contêm o composto alucinógeno psilocibina.

“Embora mais serviços de saúde mental sejam fornecidos por assistentes sociais do que todas as outras disciplinas combinadas, nenhum outro programa de serviço social no país está envolvido nesse tipo de trabalho que o Dr. Davis e seus colegas estão realizando”, disse o reitor da Faculdade de Serviço Social, Tom Gregoire. “Esta linha de investigação tem grande promessa de ajudar indivíduos e famílias com desafios que podem ser intratáveis.

“Nosso propósito como acadêmicos e educadores é promover a inovação na prática e disseminá-la amplamente para que atinja muitas vidas. Nossa capacidade de alcançar tantos torna esse compromisso essencial.”

Nos Estados Unidos, existem duas importantes terapias assistidas por drogas em ensaios clínicos de fase 3 testando MDMA (ecstasy) como tratamento para transtorno de estresse pós-traumático e psilocibina para depressão. Davis e Slot previram que, como as coisas estão, essas terapias poderiam ser aprovadas pelo governo federal em três a cinco anos.

Leia também: Drogas psicodélicas estão de volta na medicina

“Se os psicodélicos forem disponibilizados em nível nacional para fins médicos, haverá uma rápida mudança em nossa perspectiva cultural, que precisará integrar psicodélicos e terapia assistida por psicodélicos em nossas comunidades, famílias e sistema de saúde mental”, disse Davis.

“Garantir que podemos educar as pessoas e ajudá-las a entender o que são experiências psicodélicas, como as pessoas falam sobre essas experiências, a história dos psicodélicos e seu contexto cultural, como eles agem no cérebro — são todos empreendimentos críticos que o CPDRE intentará”.

Os objetivos iniciais do centro estão focados em pesquisas e iniciativas educacionais. Do lado da pesquisa, vários novos estudos clínicos estão em desenvolvimento no centro, sujeitos à aprovação regulatória nos níveis federal, estadual e universitário. As iniciativas educacionais incluem a realização da conferência “Psychedemia” sobre Bolsa Psicodélica Interdisciplinar em agosto de 2022 e o desenvolvimento de currículos de estudos psicodélicos para um programa de certificação de educação continuada on-line e uma graduação minor interdisciplinar. Um curso existente no Departamento de Fitopatologia intitulado Estudos Psicodélicos: Neuroquímica, Plantas, Fungos e Sociedade será um componente central dos novos programas.

“Este é um momento explosivo na ciência psicodélica, é importante reunir diferentes perspectivas em um campo emergente e criar um lugar onde as pessoas possam se concentrar em psicodélicos”, disse Slot.

O apoio financeiro inicial de US$ 1,5 milhão do centro vem do Fundo para Pesquisa e Educação de Drogas Psicodélicas, financiado por dois doadores anônimos.

Veja também:

Cogumelos mágicos combatem a depressão melhor que drogas convencionais

#PraTodosVerem: foto mostra vários cogumelos com chapéus em formato de disco e tons de marrom crescendo em um substrato, e a mão de uma pessoa que pega um deles. Imagem: Joe Amon / Denver Post.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!