Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento emite relatório especial sobre cânhamo industrial

Fotografia mostra a folhagem de um cultivo de cannabis (cânhamo) e parte de uma rede branca, bem como outras plantas de maconha que aparecem ao fundo, em desfoque.

Relatório mostra como os países em desenvolvimento podem explorar o potencial econômico e social do cânhamo

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) publicou uma edição de sua série de relatórios Commodities at a Glance dedicada especialmente ao cânhamo industrial.

O relatório discute os usos gerais do cânhamo e como eles se refletem nas estatísticas internacionais de produção e comércio, e define os passos que podem ser dados pelos países em desenvolvimento a fim de explorar o potencial econômico e social da planta.

Leia também: EUA: FDA é instada a aprovar sementes de cannabis para alimentação animal

A UNCTAD observa no relatório que a Cannabis sativa é uma cultura versátil e polivalente e, “tendo em vista que suas raízes, flores e frutos, caules e folhas têm diversos usos medicinais, industriais e nutricionais, sua exploração pode gerar importantes benefícios agrícolas”.

“A chamada abordagem de planta inteira baseada na exploração de todas as partes da planta deve estar no centro de qualquer estratégia de desenvolvimento setorial”, diz o relatório. “Essa abordagem pode facilitar a criação de cadeias produtivas que contribuam para o crescimento das áreas rurais, da manufatura e da indústria de processamento de alimentos.”

O documento inclui informações sobre: taxonomia e botânica do cânhamo; a cadeia de valor do setor de cânhamo industrial; tratados internacionais que regulam a produção de cânhamo industrial; preferências do consumidor e tendências do mercado; fatos e números sobre a produção de cânhamo; informações relacionadas ao comércio internacional de produtos de cânhamo; os preços dos produtos de cânhamo; e as questões políticas para governos interessados ​​em promover o cânhamo industrial.

Leia mais: Mercado de fibra de cannabis deve crescer US$ 4,28 bilhões até 2026

“Estamos satisfeitos que a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento tenha investido na criação desta edição especial sobre o cânhamo industrial. É um passo tremendo para derrubar barreiras para a indústria do cânhamo”, disse Geoff Whaling, presidente da Associação Nacional do Cânhamo dos EUA, em um comunicado.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgou um relatório em agosto mostrando como os benefícios ambientais e versatilidade do cânhamo impulsionaram sua produção na União Europeia.

De acordo com o relatório, a UE está atualmente avaliando oportunidades para expandir o uso do cânhamo, diante da necessidade de reduzir o uso de combustíveis fósseis e produtos intensivos em carbono. “A Comissão Europeia vê o cultivo de cânhamo na União como um contribuinte para os objetivos do Pacto Verde Europeu”, disse o USDA.

Veja também:

Regulamentação do plantio de cannabis é urgente, aponta parecer do IAB

Imagem em destaque: Joel Muniz | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!