TDPM: a cannabis pode ajudar no tratamento?

Fotografia mostra calendário com datas circuladas e alguns absorventes internos. Foto: Freepik.

Produtos feitos de cannabis podem ser usados para uma variedade de sintomas causados pelo TDPM, tanto físicos quanto psíquicos

Se você menstrua, já deve conhecer de perto a tal da TPM (Tensão Pré-Menstrual), não é mesmo? Mas já ouviu falar da forma mais grave da síndrome? Chamada de TDPM (Transtorno Disfórico Pré-Menstrual), pode ser ainda pior e trazer consequências. De acordo com a AMB (Associação Médica Brasileira), 75% a 80% das pessoas que menstruam podem ter TPM, mas parte desse número (3% a 8%) pode desenvolver a condição de forma mais profunda.

O TDPM possui uma lista extensa de sintomas, que são mais intensos e numerosos do que os da TPM comum. Reações que podem interferir na vida das pessoas e até dificultar tarefas simples do dia a dia.

A lista de sintomas é enorme e inclui tanto sintomas físicos quanto psíquicos, como:

  • Inchaço;
  • Aumento do volume abdominal;
  • Dor nas mamas;
  • Dor de cabeça;
  • Ansiedade;
  • Irritabilidade;
  • Falta de energia;
  • Nervos à flor da pele;
  • Ideação suicida;
  • Depressão;
  • Alterações no sono, como insônia ou dormir demais;
  • Alterações no apetite (comer comidas calóricas ou comer muito).

Todos são sintomas que acontecem antes da menstruação. Mas no caso do TDPM, desenvolvem-se de forma muito mais intensa e podem trazer problemas no cotidiano de forma bastante negativa.

As causas da condição ainda não são totalmente esclarecidas. A única coisa que se sabe é que está relacionada aos hormônios, mais necessariamente à flutuação daqueles que são ligados ao ovário, como o estrogênio e a progesterona.

A hipótese é que os hormônios atuem no cérebro e acabem mexendo com neurotransmissores que causam alterações emocionais. Mas ainda são necessários mais estudos para saber se esse é o caso.

Diagnóstico de TDPM

Para saber se uma pessoa que menstrua tem TDPM, não é necessário realizar exames, mas uma anamnese. Ou seja, uma espécie de entrevista pelo médico para entender se o paciente possui  a condição.

No caso da TPM, por exemplo, o diagnóstico é feito quando a pessoa possui de um a quatro sintomas, que se desenvolvem de forma leve e moderada. Já no caso do Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, é preciso ter pelo menos cinco sintomas que se desenvolvem de forma intensa.

Sendo ao menos um deles um sintoma psíquico, como tensão, instabilidade afetiva, ansiedade ou depressão.

Tratamento do TDPM

Já o tratamento do TDPM é individual e varia de acordo com a necessidade da pessoa que menstrua. Mas, no geral, é feito para tratar os sintomas, ajudando a estabilizar o humor e trazer qualidade de vida.

Assim como para TPM e cólicas, alterações na rotina no período pré-menstrual, atividades físicas e mudanças na alimentação são alternativas usadas para amenizar as reações causadas também pelo Transtorno Disfórico Pré-Menstrual.

Outras medidas também podem ser de grande ajuda, como psicoterapia e medicamentos, que servirão tanto para controlar os hormônios relacionados à menstruação quanto para controlar o humor, como ansiolíticos e antidepressivos.

Tratamento com cannabis 

A cannabis é um tratamento que vem se destacando ao longo dos anos. Principalmente pelo seu amplo uso em uma variedade de condições médicas.

Isso por que a cannabis atua através do chamado Sistema Endocanabinoide, um sistema presente no corpo inteiro que ajuda a restaurar a homeostase, ou seja, o equilíbrio de várias funções do organismo, como fome, humor, sistema nervoso e até imunológico.

O nosso corpo produz os chamados endocanabinoides, que sinalizam através de receptores se algo precisa ser restaurado.

Felizmente, a cannabis também possui substâncias como estas, que podem auxiliar os nossos endocanabinoides.

Uso da cannabis no TDPM

Por atuar também no Sistema Endocanabinoide, os fitocanabinoides da cannabis ajudam a estabilizar vários sintomas físicos e emocionais do transtorno, como insônia, dores nas articulações, irritabilidade, ansiedade e depressão.

De acordo com a ginecologista e prescritora de cannabis Ana Paula Carvalho, produtos feitos de cannabis têm o poder de aliviar a maioria dos sintomas e até evitar antidepressivos e analgésicos mais nocivos.

Na literatura, não há muitos estudos sobre o assunto, embora há registros do uso da cannabis para o tratamento de cólicas e TPM que remontam a 2.000 AEC. As egípcias utilizavam a planta para tratar a tristeza e o mau humor, o que sugere que fosse uma espécie de tratamento para TPM.

Por outro lado, há várias pesquisas que mostram os benefícios da cannabis para os sintomas relacionados à condição. Como no tratamento de insônia, depressão, ansiedade e até no controle do apetite.

A ciência também descobriu que muitos receptores endocanabinoides estão presentes no Sistema Reprodutor Feminino. Por isso, a cannabis tem ajudado a amenizar as cólicas e até tratar a endometriose.

Leia também:

Paciente com fibromialgia abandona remédios depois da cannabis: “não precisava mais”

Foto de capa: Freepik.

mm

Sobre Cannalize

A Cannalize é um portal segmentado com o foco em trazer educação ao público, tanto sobre a cannabis medicinal quanto o uso adulto. O objetivo é responder todas as dúvidas sobre o universo canábico, desmistificar mitos e informar de forma embasada em e ancorada em especialistas e pesquisas científicas.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!