Rhode Island (EUA) avança plano para abrir locais de consumo de drogas

Ao permitir que as pessoas usem substâncias sob a supervisão médica, o programa espera reduzir as mortes por overdose e doenças infecciosas

O estado americano de Rhode Island está prestes a ter um local de consumo seguro de drogas, mais de um ano depois que o governador democrata Dan McKee assinou uma legislação histórica de redução de danos.

A nova lei vem na esteira de um recorde de mortes por overdose de opioides no estado: 435 pessoas morreram de overdose em 2021, de acordo com o Departamento de Saúde. O consumo de fentanil foi associado à maioria das mortes (77%).

Segundo a WJAR, o plano deu um grande passo à frente na quarta-feira, quando o estado abriu licitação para empresas apresentarem propostas para os locais de consumo supervisionado de substâncias.

Leia também: Sala de consumo de drogas em Lisboa atinge 1.300 usuários em um ano

Há apenas dois desses locais nos EUA, inaugurados em dezembro do ano passado na cidade de Nova York. Os usuários podem consumir drogas atualmente ilícitas em um ambiente com supervisão médica e receber recursos de tratamento.

Agora, McKee quer um local como este em Rhode Island. Em julho de 2021, ele autorizou um programa-piloto de dois anos para o consumo assistido de drogas.

“Tem sido uma das mais solicitadas, se posso dizer, iniciativas e necessidades declaradas de nossos parceiros da comunidade. A esperança é que tenhamos propostas das organizações comunitárias, da comunidade de pares, para fornecer esse refúgio seguro para as pessoas e uma série de outros serviços”, disse Ana Novais, secretária interina do Escritório Executivo de Saúde e Serviços Humanos.

 

 

Thomas Joyce está em recuperação do transtorno por uso de substâncias e apoia o esforço. Na quarta-feira, ele foi nomeado copresidente para a comunidade da Força-Tarefa de Overdose do Governador.

“Acho que sempre que podemos criar pontos de contato para dar às pessoas os recursos de que elas necessitam em tempo real é definitivamente essencial para a comunidade”, disse Joyce à agência de notícias.

O Projeto Weber/Renew, que opera serviços de recuperação em Pawtucket e Providence, é um dos fornecedores que deseja abrir um local de consumo.

Leia mais: Como funciona uma sala de consumo assistido de drogas?

“Estamos nos movendo cuidadosamente ao longo do processo, reconhecendo que há muitas peças em movimento — envolvimento da comunidade, zoneamento, segurança pública, compras —, e queremos garantir que estamos sendo cuidadosos e agindo com consciência das necessidades de nossos clientes, nossa equipe e nossa comunidade”, disse Colleen Daley Ndoye, diretora executiva do Weber/Renew.

O local de consumo será aberto com recursos destinados pelo Comitê Consultivo do Acordo de Opioides, que em julho designou US$ 2,25 milhões para o projeto. O dinheiro é oriundo de um acordo de litígios contra distribuidores de opioides prescritos.

Ao permitir que as pessoas usem drogas sob a supervisão médica, o programa espera reduzir as mortes por overdose e doenças infecciosas, embasado na pesquisa científica que mostrou que os locais de consumo assistido no Canadá e alguns países europeus salvaram vidas e melhoraram o acesso ao tratamento.

A equipe dos dois locais de consumo abertos no ano passado em Nova York interrompeu mais de 150 overdoses, durante cerca de 9.500 visitas, nos primeiros três meses de funcionamento, de acordo com um relatório da Associated Press.

“Este não é um paraíso de drogas”, disse ao NYT John G. “Jay” Edwards, um representante estadual democrata que patrocinou a legislação de redução de danos. “Quando você entende toda a questão, entende que isso significa se as pessoas vivem ou morrem.”

Segundo reportagem do NYT, o programa oferecerá testes de HIV e hepatite C, suprimentos para uso mais seguro de drogas, descarte de seringas e ferramentas de verificação de substâncias.

Em maio deste ano, Rhode Island se tornou o 19º estado dos EUA a legalizar o uso adulto da maconha.

A lei permite que adultos portem cannabis para consumo próprio e cultivem a planta em casa. Espera-se que as vendas de maconha em lojas licenciadas comecem em 1º de dezembro deste ano.

Leia também:

Opinião pública nos EUA diz que maconha é menos perigosa que o álcool

Imagem de capa: Maksim Goncharenok | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!