Quais são as genéticas mais famosas do mundo?

Fotografia mostra dois dedos em forma de pinça segurando uma pequena folha de cannabis, em fundo branco e liso. Imagem: Pexels / Kindel Media. deputados

Skunk, Haze, Kush, Diesel e Cookies. Qual a origem e por que estas 5 genéticas são tão populares? Neste artigo, a Flora Urbana conta tudo

A cultura da cannabis tem uma história fascinante, com raízes que se espalham por milhares de anos. Mas foi somente nos anos 1960 que o interesse pelas variedades genéticas dessa planta extraordinária começou a rolar. Entre as diversas famílias cultivadas e apreciadas hoje em dia, algumas se destacaram pela sua popularidade e influência na indústria da cannabis. Neste artigo, a equipe da Flora Urbana explora um pouco da história e as razões que tornaram as genéticas Skunk, Haze, Kush, Diesel e Cookies as mais famosas do mundo. 

É legal lembrar que a história das variedades de cannabis muitas vezes é cercada de mitos e lendas, e as informações podem variar dependendo da fonte. Com isso em mente, aqui estão algumas das teorias mais comuns sobre a origem destas 5 estrelas:

Skunk: A Revolução do Cheiro

A genética Skunk é considerada um marco no desenvolvimento da cannabis moderna. Sua origem, no início dos anos 1970, está ligada à criação dos primeiros híbridos produzidos nos EUA. 

Ela foi desenvolvida por David Watson, mais conhecido como Sam the Skunkman, que liderava um grupo pioneiro de cultivadores chamado Sacred Seeds. O objetivo do grupo era criar variedades de cannabis mais potentes e com características específicas. No caso, a Skunk nasceu do cruzamento da Colombian Gold com Acapulco Gold, além de genéticas do Afeganistão e possivelmente algumas linhagens indígenas.  

Além de alta produção de resina e alta concentração de THC, sua fama vem do seu aroma forte, que lembra o cheiro do animal que lhe dá o nome (“skunk” é gambá em inglês). Seu odor e sabor únicos logo a transformaram em uma das favoritas entre os adeptos. Outra razão para o sucesso é a sua robustez e capacidade de adaptação a diferentes condições de cultivo. Isso agradou growers iniciantes e especialistas, além de conquistar fãs pelo mundo todo. 

Desde sua criação, a genética Skunk tem sido muito utilizada no desenvolvimento de várias outras variedades híbridas populares, contribuindo bastante para o grande universo da cannabis de hoje em dia. Sua influência na cultura da cannabis é inegável, fazendo dela uma das genéticas mais famosas e apreciadas em todo o mundo.

Haze: A jornada psicodélica

Hippies em festival nos anos 70. Foto: Picryl.

Hippies em festival de música nos anos 70. Foto: Picryl.

A Haze é considerada por muitos como a rainha das genéticas, com a reputação de ser uma das mais famosas e icônicas do mundo da cannabis.

A versão mais conhecida é de que a Haze original tenha sido desenvolvida na Califórnia, na década de 1970. Os criadores são os irmãos Haze, que selecionaram e cruzaram algumas das melhores variedades disponíveis na época, incluindo cepas de origem colombiana, mexicana, tailandesa e sul-indiana. Depois, Sam the Skunkman (o mesmo criador da Skunk) teria feito alguns aprimoramentos ao levar a Haze para a Holanda nos anos 1980. 

A Haze é conhecida por suas propriedades psicoativas e pela sensação estimulante que proporciona. Ela foi uma das primeiras cepas Sativa puras a se destacar no mercado. Seus efeitos cerebrais intensos e eufóricos rapidamente fizeram dela a melhor escolha para quem buscava uma experiência psicodélica.

Além disso, a Haze foi uma das primeiras variedades de cannabis a conquistar prêmios em competições, o que rapidamente turbinou seu prestígio e fama na comunidade canábica. O curioso é que por ser uma variedade de cultivo difícil, ao invés de afastar os cultivadores, essa característica acabou estimulando a busca de um desafio e, claro, das recompensas impressionantes.


Kush: A lenda das montanhas

Montanhas Hindu Kush na Ásia. Foto: Pixabey.

Montanhas Hindu Kush na Ásia. Foto: Pixabey.

A Kush é uma linhagem que vem de longe. Sua origem está nas montanhas do Hindu Kush, que é uma cordilheira que faz parte do Afeganistão, Paquistão e partes da Índia. A palavra “Kush” é uma referência a essa região. 

A região do Hindu Kush é conhecida por ser um berço de diversas variedades de cannabis, incluindo várias cepas famosas hoje em dia. As plantas cultivadas nessas áreas geralmente têm características distintas, como densidade, aroma, sabor e efeitos específicos.

Atraídos pela fama da cannabis que crescia no Hindu Kush e pelo misticismo do local, os hippies chegaram na região nos anos 60 e de lá trouxeram sementes para os Estados Unidos e Europa. Anos depois, cruzamentos foram feitos e produziram algumas das strains mais interessantes do mundo da família Kush, como Afghan Kush, OG Kush, Bubba Kush e entre outras. 

A Kush, em particular, ganhou popularidade em todo o mundo graças às suas propriedades únicas como alto teor de THC e seus efeitos relaxantes. Seu uso medicinal também ganhou destaque, com muitos pacientes buscando alívio para dores e problemas de sono.

 Sour Diesel: A energia americana

Sua origem é controversa. Muita gente atribui que o cenário underground de Nova York nos anos 1990 foi onde nasceu a Sour Diesel. Além disso, seu histórico genético também não é claro. A teoria mais popular diz que ela é resultado do cruzamento da Chemdawg 91 com a Super Skunk, duas strains que combinam alto teor de THC e aromas intensos.

A característica mais evidente da Sour Diesel também está ligada ao seu aroma de combustível, daí o “Diesel” no nome. Apesar do cheiro estranho, seu sabor é cítrico, lembrando a acidez de um limão (sour = azedo).  

Apesar de sua origem estar ligada a Nova York, foi na Califórnia que a família Diesel explodiu e hoje é considerada uma das mais populares strains dos EUA. Além do cheiro característico, a Sour Diesel conquistou muitos fãs pelo alto teor de THC e por seu efeito estimulante e energizante. Suas propriedades medicinais estão ligadas ao alívio de depressão e estresse.  

Batalha de rima. Foto: Pixabey

Batalha de rima, muito comum no cenário underground de Nova York nos anos 90 e que perpetua até hoje. Foto: Pixabey

Girl Scout Cookies: A magia doce

A mais novinha da nossa lista, a Girl Scout Cookies (também conhecida como GSC) nasceu na Califórnia nos anos 2000. Sua genética é resultado do cruzamento de duas variantes principais: OG Kush e Durban Poison. O resultado é uma planta híbrida equilibrada, com aroma doce e saboroso, que lembra os tradicionais cookies vendidos pelas escoteiras (Scout Girls) nos EUA. 

Junto de seu sabor adocicado, que lembra baunilha e menta, a GSC ficou famosa por sua grande potência e seu efeito psicoativo mais social e recreativo. Sua ascensão meteórica à fama também é atribuída ao fato dela ter se tornado a preferida da cena Hip Hop californiana, sendo citada em várias músicas. Depois disso, ela ganhou a América e já foi usada para criar muitas outras variedades.

Entre suas propriedades medicinais, a GSC pode ser indicada para alívio de dores crônicas, inflamação, tensão muscular e cãibras.  

A busca continua

As genéticas Skunk, Haze, Kush, Diesel e Cookies conquistaram o mundo da cannabis devido a suas características distintas e histórias únicas. Cada uma delas teve um papel superimportante na evolução da cena canábica, definindo as preferências dos consumidores e influenciando gerações de cultivadores.

Não podemos encerrar sem antes dizer que, embora essas sejam consideradas as grandes estrelas do momento, a indústria da cannabis tem uma variedade infinita de genéticas, cada uma com sua própria história e atrativos. A diversidade genética é uma das principais riquezas da cannabis, e a viagem de descobrir novas genéticas vai continuar sempre encantando fãs e cultivadores em todo o mundo.

Leia também:

Estudo descobre a química por trás do cheiro “skunk” da cannabis

Imagem de capa: Pexels / Kindel Media.

mm

Sobre Flora Urbana

A Flora Urbana 420 é um portal onde os cultivadores iniciantes e especialistas podem escolher suas opções com total confiança entre marcas reconhecidas no mundo todo. Visite a Flora Urbana. Autocultivo é o caminho.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!