Patagônia agora conta com programa de cannabis medicinal

patagonia Patagônia agora conta com programa de cannabis medicinal

Aprovado pelo Centro Nacional Patagônico, programa trabalha com profissionais da saúde e pacientes para desenvolver óleos de maconha seguros

Um movimento que começou em 2020, quando laboratórios públicos da Patagônia solicitaram ao Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) autorização para avaliar a qualidade dos óleos de cannabis que vinham sendo usado por pacientes sem nenhum controle, resultou em um programa de pesquisa voltado a melhorar a qualidade de vida dos usuários de maconha medicinal.

Centro Nacional Patagônico (Cenpat), ligado ao Centro Científico Tecnológico do Conicet, aprovou no mês passado o Programa Interdisciplinar de Cannabis.

Entre os objetivos do programa estão os de promover a pesquisa básica e aplicada e o desenvolvimento tecnológico relacionados à planta da cannabis e seus derivados, e a transferência desse conhecimento e seus produtos para diversos atores públicos e privados da sociedade, nas áreas da saúde pública, indústria e outros.

Leia também: Argentina regulamenta comércio de sementes de maconha

O Cenpat já desenvolveu diversos serviços e assessorias técnicas sobre o tema, como, por exemplo, a análise química por TLC (cromatografia em camada fina) que permite identificar a composição de canabinoides em óleos para uso medicinal. Outra análise é a cromatografia gasosa, técnica que permite analisar óleos ou flores e determinar a quantidade de diferentes componentes.

De acordo com um comunicado à imprensa, o Cenpat também assinou convênios com dois laboratórios em Puerto Madryn para que os habitantes da cidade possam analisar a composição de seus óleos de maconha a um baixo custo e assim “ter a tranquilidade de contar com formulações seguras e adequadas a suas patologias”.

Um acordo de colaboração foi assinado neste mês entre o Cenpat e o Ministério da Saúde da província de Chubut, onde está localizada Puerto Madryn, para iniciar ensaios clínicos com fitopreparações de cannabis em pacientes que sofrem de dores crônicas ou distúrbios de saúde mental.

Leia mais: Projeto de lei sobre pesquisa de maconha é aprovado na Câmara dos EUA

Os resultados dos ensaios podem ser aplicados no tratamento de diversas doenças e patologias, proporcionando benefícios no uso medicinal da maconha e permitindo o estabelecimento da terapia que o profissional considera mais benéfica para acompanhar os usuários em seu tratamento.

Enquanto isso, a equipe do Programa Interdisciplinar de Cannabis trabalha em coordenação com profissionais de saúde do Hospital “Dr. Andrés Ísola” de Puerto Madryn e usuários de maconha medicinal, para o desenvolvimento de óleos rastreáveis e seguros, com o objetivo de abordar tratamentos da forma mais eficaz e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Agora, o Programa Interdisciplinar de Cannabis conta com um site onde serão divulgados os avanços da pesquisa, os projetos de trabalho articulados com outras instituições e os serviços prestados pelo Cenpat no âmbito da cannabis para fins medicinais.

O site do programa de cannabis do Centro Nacional Patagônico está disponível em cenpat.conicet.gov.ar/cannabismedicinal.

Leia também:

Legalizar a maconha pode beneficiar a saúde pública, dizem pesquisadoras

#PraTodosVerem: fotografia mostra um funcionário do programa de cannabis medicinal usando jaleco e máscara brancos, e em meio a várias plantas de maconha que crescem em um ambiente fechado. Foto: Cenpat / Conicet.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!