Paciente de Goiânia é autorizado a plantar maconha para tratamento de saúde

Fotografia em visão de cima pra baixo que mostra um top bud repleto de folhas sendo segurado por duas mãos, vindas da direita, que formam uma concha em sua base, e outras plantas de maconha, ao fundo, desfocado. Foto: Davide Ragusa | Unsplash.

Os medicamentos convencionais prescritos trouxeram inúmeros efeitos colaterais

Um paciente de Goiânia que sofre de dores crônicas na coluna, problemas estomacais e condições mentais como depressão e ansiedade obteve na Justiça o direito de cultivar maconha para uso em seu tratamento de saúde, informou O Popular.

O empresário de 29 anos Matheus Ribeiro Nascente disse ao jornal que foi diagnosticado com transtorno bipolar, ansiedade generalizada e transtorno recorrente depressivo e já chegou a tomar quinze comprimidos por dia.

Além dos transtornos mentais, Matheus diz que também sofre com problemas estomacais e dores na lombar há anos. Os laudos médicos anexados ao processo mostram que o jovem também é portador de lombalgia, gastrite e esofagite.

Leia também: Doutora responde: a cannabis pode ser usada no tratamento de gastrite?

Matheus disse ao Popular que os medicamentos sempre trouxeram inúmeros efeitos colaterais, que o fizeram ir ao pronto-socorro várias vezes.

Diante disso, ele decidiu procurar um tratamento alternativo e, após pesquisar estudos e tratamentos fora do país, sugeriu à médica que o acompanha que adotasse o uso medicinal da cannabis.

A dermatologista Ana Néri Sampaio, que acompanha Matheus, informou em um relatório médico que o jovem relatou ter começado por iniciativa própria a usar maconha, “a princípio no cigarro e depois substituída pela cannabis no óleo medicinal e na forma de vaporização”, e revelou uma “melhora acentuada” de seus problemas de saúde.

“Diante das evidências científicas e clínicas do uso da cannabis medicinal, no óleo medicinal ou vaporização, no caso dos diagnósticos do paciente, há indicação do tratamento com a referida substância, objetivando a melhora das doenças atuais, evitando o agravamento das mesmas e trazendo a qualidade de vida ao paciente”, instruiu a médica.

Leia mais: Uso de óleos e flores de maconha está associado à melhora da ansiedade, diz estudo

Muitos indivíduos com depressão, ansiedade ou ambas as condições que usam maconha para insônia relatam melhorias significativas na gravidade dos sintomas após o uso da planta, segundo um estudo canadense recente.

Em outro estudo, pesquisadores israelenses descobriram que o uso fumado de cannabis rica em tetraidrocanabinol (THC) mostrou ser uma terapia eficaz e segura para a lombalgia.

Segundo o Popular, atualmente Matheus mantém uma estufa improvisada em um dos banheiros de seu apartamento para o cultivo de maconha. O empresário disse que faz uso diário da planta desde março de 2020, quando deu início ao tratamento.

Em sua sentença, o juiz Alderico Rocha Santos, da 5ª Vara Criminal da Justiça Federal em Goiás, concede o habeas corpus para determinar que qualquer tipo de polícia se abstenha de prender ou investigar Matheus por “aquisição, importação, porte, transporte, plantio, cultivo, processamento e produção de sementes, mudas, insumos e o próprio medicamento a ser produzido à base de cannabis sativa para o tratamento de sua saúde”.

Dito isso, um paciente com transtorno do espectro autista também obteve recentemente o direito de cultivar maconha em casa para seu tratamento médico.

O HC proferido pela Justiça do Paraná permite que o paciente mantenha um pequeno cultivo de cannabis proporcional às suas necessidades para extrair o óleo, sem correr o risco de ser preso ou ter suas plantas destruídas pela polícia.

Leia também:

Paciente com paralisia é autorizado a plantar maconha em casa

Foto em destaque: Davide Ragusa | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!