O problema do plástico na indústria da cannabis

Foto que mostra dois potes plásticos, transparentes e com tampa branca, de buds de maconha, um deitado com a tampa voltada para a câmera e outro em pé, sobre uma mesa de madeira, e uma planta junto a uma parede de cor clara, ao fundo, desfocado. Imagem: Oceanworks.

Para pessoas que buscam alívio natural para uma variedade de sintomas, é difícil encontrar um produto tão intimamente ligado à terra como a cannabis. No entanto, o aumento da maconha legal também introduziu um custo ambiental crescente: o plástico. Saiba mais sobre o assunto na reportagem de Jackie Bryant para a Healthline

Um dos maiores argumentos de venda da cannabis legal é óbvio: é uma planta! A inflorescência de cannabis para fumar, em particular, tem a conexão mais curta com seu estado agrícola original. São buds simplesmente secos e curados, coletados diretamente da planta original.

Para pessoas que procuram alívio natural para uma variedade de sintomas, ou consumidores casuais que procuram descontrair e relaxar, é difícil encontrar um remédio tão intimamente ligado à terra como a cannabis.

E, no entanto, o aumento da cannabis legal também introduziu um custo ambiental crescente:

  • práticas agrícolas de má qualidade;
  • o advento dos descartáveis;
  • embalagem de difícil abertura exigida por lei.

Tudo isso gerou resíduos com os quais a indústria não tem uma boa forma de lidar.

Aqui está uma visão mais detalhada de como chegamos aqui e o que algumas marcas estão fazendo para criar um futuro mais ecológico para os produtos de cannabis.

Plástico descartável é praticamente um requisito

O fato de a indústria da cannabis ser tão rigidamente regulamentada significa que os consumidores estão mais ou menos à mercê do que o mercado legal oferece a eles localmente. O que quer que um dispensário local decida vender é o que um mercado local vai receber.

Mas muitos consumidores estão buscando práticas sustentáveis ​​e exigindo mais das empresas das quais compram.

“À medida que aumenta a consciência global das mudanças climáticas, mais pessoas estão aprendendo sobre todas as diferentes escolhas que podem fazer para contribuir no combate a essas questões [de resíduos em excesso]”, diz Jed McWhorter, diretor de compras da Curaleaf, a maior companhia de cannabis do mundo.

Embora McWhorter reconheça que “reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ​​é um bom primeiro passo” quando se trata de coisas como sacolas de supermercado reutilizáveis ​​e garrafas de água recarregáveis, as mãos da indústria da cannabis estão amplamente amarradas quando se trata de opções sustentáveis.

Infelizmente, muitos requisitos de embalagens estaduais levam a uma grande quantidade de plástico de uso único na indústria. Por exemplo, muitos estados exigem embalagens resistentes a crianças, o que requer uma camada adicional de embalagem de plástico em toda a cadeia de abastecimento”, diz McWhorter.

Ele está se referindo aos complementos de embalagem extras necessários, mas muitas vezes enfadonhos, projetados para manter as crianças longe dos produtos de cannabis (e que muitas vezes acabam mantendo os adultos longe também).

Além de serem irritantes, eles criam embalagens plásticas extras que outras drogas legais, como álcool, por exemplo, não são obrigadas a ter. Se eles mantêm as crianças (que, se tiverem acesso a uma tesoura, podem facilmente acessar o produto dentro) seguras ou não, é outra questão.

De acordo com os regulamentos da Califórnia, que foram codificados na Proposta 64, a lei que legalizou o uso adulto de cannabis no estado, existem diferentes requisitos de rotulagem para cannabis fumável, como inflorescências ou pré-enrolados, em comparação com o que considera produtos de cannabis “manufaturados”, como comestíveis, tópicos e concentrados.

O estado também fornece uma lista de verificação de embalagem que exige que uma embalagem de cannabis vendida em um dispensário seja:

  • Antiviolação. Isso inclui itens como um lacre de plástico, um adesivo na tampa que rasga quando a mesma é aberta ou frascos com tampas que saltam após a abertura.
  • Resistente a crianças. A embalagem de plástico deve ter pelo menos 4 milímetros de espessura e ser selada a quente ou certificada de acordo com o Ato de Embalagem de Prevenção de Envenenamento federal.
  • Resselável. Produtos projetados para usos múltiplos devem vir em embalagens que incluam algum tipo de fechamento, seja uma tampa ou um lacre adesivo.
  • Opaca (somente para comestíveis). Isso exclui qualquer vidro que não seja âmbar e cria uma preferência por plásticos.

E tudo isso só na Califórnia.

Leia mais: No Canadá, construtores estão trocando cimento por cânhamo

Duas empresas estão ficando criativas

Embora todas essas embalagens devam ser descartáveis, não existe nenhuma lei exigindo que sejam de plástico virgem, como é chamado no setor de plásticos. Isso oferece uma oportunidade para quem tem os olhos certos e tolerância para custos de material mais elevados.

Ocean Cannabis Co.

Mary Ersig e seu marido, coproprietários da Ocean Cannabis Co., começaram seus negócios em 2013. Só depois da legalização, quando participaram da MJBizCon, uma conferência popular da indústria em Las Vegas, Nevada, é que perceberam o problema ambiental crescendo rapidamente na indústria da cannabis.

“Havia muito plástico! E muitas camadas disso em todas as embalagens”, diz Ersig. “Então, na verdade começamos com um cubo de papel porque, pelo menos, não me senti tão mal em colocar tudo isso no mundo. Pelo menos você pode simplesmente jogá-lo na lixeira e ele irá biodegradar”.

Não muito depois, ela diz, eles encontraram sua fonte de embalagem atual: plástico oceânico.

Atualmente, a Ocean Cannabis Co. usa plástico reciclado retirado do oceano através da OceanworksA empresa coleta o plástico e o transforma em bolinhas, que se transformam em cubos que acabam em embalagens.

“Até agora, retiramos 6 toneladas de plástico do oceano”, diz Ersig sobre os esforços da empresa. Ela estima que cada produto da Ocean Cannabis Co. contém o equivalente a 15 canudos de plástico.

Porém, isso tem um preço.

Cada recipiente de plástico da Oceanworks custa 27 centavos, enquanto as embalagens plásticas padronizadas da China custam centavos cada. Ersig diz que é exatamente por isso que a prática de usar plástico recuperado do oceano não é mais difundida.

Curaleaf

Empresas maiores, como a Curaleaf, estão começando a explorar a aparência de embalagens sustentáveis ​​para elas, mas é um processo complicado.

Além de ser grande, com diversos segmentos verticais e linhas de produtos, a empresa também atua em vários estados — todos com diferentes requisitos de embalagens.

“Temos uma equipe multifuncional que garante que todos os requisitos de embalagem sejam atendidos em cada estado diferente. Todas as embalagens passam por pelo menos três sessões de revisão antes da impressão”, diz McWhorter. “Usamos papel e vidro sempre que possível, bem como plásticos reciclados”.

McWhorter também diz que a sustentabilidade, em particular, é um dos quatro pilares listados em sua iniciativa de responsabilidade social corporativa chamada “Rooted in Good”, que foi lançada em 2020.

A Curaleaf diz que planeja anunciar um parceiro em 2021 que ajudará a empresa a avaliar sua pegada ambiental e se concentrará em como diminuir a pegada, adquirindo materiais sob uma perspectiva de sustentabilidade e equidade social.

Atualmente, o protocolo de embalagem da empresa é padronizado e monitorado por especialistas regionais de conformidade. Eles são especializados em um punhado dos maiores mercados e ficam de olho nas regulamentações dos 23 estados onde a Curaleaf opera.

Tentamos manter os custos baixos, atendendo a todos os estados com a mesma embalagem mestre e aplicando as diferentes regulamentações usando rótulos. Certamente há um custo notável em ter diferentes regulamentações e requisitos de embalagem em cada mercado”, diz McWhorter, acrescentando que as regulamentações na indústria da cannabis estão mudando constantemente, o que adiciona mais desafios de embalagem.

McWhorter diz que a empresa prioriza remessas em lote, sempre que possível, para reduzir sua pegada de carbono. Ele também realiza avaliações de rotina da cadeia de suprimentos para identificar como pode não apenas cortar custos, mas ser mais ecologicamente correto.

Em vários dos dispensários de sua propriedade, a empresa executa programas de reciclagem locais com organizações como a The High Five Initiative em Maryland, que coleta e recicla embalagens de plástico nº 5 (o material usado para criar esses onipresentes recipientes pop-top).

“Reconhecemos nossa responsabilidade e levamos isso a sério”, diz McWhorter. Para uma empresa tão grande, é um bom começo.

Leia mais: Cânhamo pode ser a próxima grande novidade em combustível e plástico sustentáveis?

O que um consumidor consciente deve fazer?

Além de estar armado com conhecimento e fazer compras com inteligência, o que mais você pode fazer para garantir que sua pegada de cannabis não seja muito grande?

As opções são bastante limitadas (por enquanto), mas existem alguns pontos importantes a serem considerados.

Procure materiais alternativos

Da próxima vez que você for comprar cannabis, procure por produtos que venham em embalagens feitas de:

  • vidro (pontos de bônus se for um recipiente que você pode reutilizar para outra coisa);
  • plásticos de cânhamo, como os da Sana Packaging;
  • papel;
  • plásticos reciclados.

Compre de empresas que fazem o trabalho

Se você puder, torne uma prioridade comprar de empresas, como a Ocean Cannabis Co., que sacrificam seus resultados financeiros para oferecer um produto mais sustentável.

Manifeste-se

Por fim, manter o tema da sustentabilidade como prioridade para empresas maiores, como a Curaleaf, é vital.

Se as empresas perceberem que embalagens sustentáveis ​​são uma questão em que os consumidores não economizam, é mais provável que as incorporem em seus modelos de negócios.

O mesmo vale para dispensários. Se você pedir especificamente, digamos, os vaporizadores da Ocean Cannabis Co., você pode convencê-los a estocar a marca em suas prateleiras.

O resultado final

A indústria da cannabis tem um longo caminho a percorrer para resolver seu problema com o plástico, mas um número crescente de empresas de cannabis está pensando fora da caixa para encontrar algumas soluções inovadoras.

Da próxima vez que você precisar reabastecer seu estoque, reserve algum tempo para pesquisar marcas com preocupações ecológicas em sua área.

E se você sair de mãos vazias, certifique-se de que o dispensário local saiba que você (e seu valioso dinheiro) está esperando por melhores opções.

Leia também:

Como a lei antidrogas dificulta a substituição do plástico pelo cânhamo

#PraCegoVer: em destaque, foto que mostra dois potes plásticos, transparentes e com tampa branca, de buds de maconha, um deitado com a tampa voltada para a câmera e outro em pé, sobre uma mesa de madeira, e uma planta junto a uma parede de cor clara, ao fundo, desfocado. Imagem: Oceanworks.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!