NBA: acordo estabelece a suspensão de testes para maconha nos jogadores

Fotografia mostra a mão de uma pessoa que segura uma bola de basquete em posição de arremesso, e um fundo embaçado em tons de verde. Imagem: Abhay siby Mathew | Unsplash.

A NBA formaliza, em um acordo com a Associação Nacional de Jogadores de Basquete, que não fará mais testes para maconha nos jogadores — prática adotada pela liga desde 2020

“Os jogadores da NBA não serão mais proibidos de usar maconha sob o novo Acordo Coletivo de Trabalho de sete anos”, tuitou o repórter esportivo Shams Charania, que cobre a liga estadunidense de basquete, sobre um acordo entre a NBA e a Associação Nacional de Jogadores de Basquete, que formaliza a prática adotada desde 2020, de não testar para maconha os jogadores.

Leia também – Da NBA à cannabis: como Al Harrington está mudando a indústria para pessoas negras

À época, o Comissário da NBA, Adam Silver, declarou que “… no final do dia, acho que todos concordamos que, seja a maconha uma substância legal ou não, assim como com o álcool, você ainda tem que ensinar os jovens a usar uma substância como essa de forma adequada e responsável e de forma que isso não sobrecarregue sua vida”.

 

 

 

Em um comunicado postado no Twitter, a Associação Nacional de Jogadores de Basquete disse: “Detalhes específicos serão disponibilizados assim que a folha de termos for finalizada.”

A proximidade dos jogadores de basquete da liga com a maconha fica clara com os exemplos de astros da história da NBA que anunciaram recentemente iniciativas canábicas, como os ex-jogadores Al Harrington, que está trabalhando para tornar milionários cem empreendedores negros da indústria, e Chris Webber, que está planejando abrir um “complexo” de cannabis no sudoeste de Detroit, com um centro de operações e treinamento de maconha, uma instalação de cultivo, um dispensário e uma sala de consumo de cannabis.

Apesar da liberação do consumo através desse acordo e da liberação do canabidiol (CBD) da lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Antidoping desde 2018, o THC continua sendo proibido pela Wada. A Agência afirma que o THC é proibido apenas em competição e que o alto nível da substância necessário para desencadear um teste positivo é “consistente com um atleta significativamente prejudicado ou um usuário frequente”.

Leia também:

Esportes e cannabis: quais os benefícios da planta para atletas?

Imagem de capa: Abhay siby Mathew | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!