Michigan (EUA) recolhe mais de 1.000 baseados pré-enrolados por falta de testes

Foto mostra vários baseados em pé sobre uma bandeja, com a parte de cima aberta, e uma mão com luva preta.

Consumidores que compraram os baseados do lote alvo do recall devem descartar ou devolver o produto ao local de venda

A reguladora de cannabis do estado americano de Michigan está fazendo o recolhimento de quase 1.100 baseados por questões de saúde e segurança públicas. Segundo um boletim publicado na última quarta-feira (15), os pré-enrolados de maconha não foram submetidos aos devidos testes de conformidade.

Em sua investigação, a Agência Reguladora da Cannabis (CRA) do estado descobriu que a fabricante Flavor Galaxy não enviou certos baseados infundidos para teste em sua forma final.

“O sistema de monitoramento estadual (Metrc) indicou que os pré-enrolados infundidos só passaram por testes de conformidade de segurança para a flor de maconha e potência e não foram testados depois que a Flavor Galaxy adicionou destilado de cannabis e/ou terpenos ao produto”, diz a agência em um comunicado.

Os pré-enrolados da Flavor Galaxy comercializados em 20 dispensários de Michigan entre 25 de novembro de 2023 e 6 de maio de 2024 podem estar sujeitos ao recall se suas tags corresponderem às listadas no boletim. A agência orienta aos consumidores que descartem ou devolvam esses produtos ao local de venda. Os varejistas também podem optar por destruir os baseados.

Denise Policella, advogada que representa a Flavor Galaxy, disse ao MLive que as alegações de que a fabricante adicionou ingredientes aos pré-enrolados após os testes de segurança “simplesmente não aconteceram” e é uma “suposição da CRA” baseada em um ex-funcionário da empresa que manipulou dados no sistema estadual de rastreamento de maconha.

Leia também: Flores de cannabis da marca de Mike Tyson são alvo de recall na Califórnia (EUA)

O mercado de cannabis de Michigan, que atende pacientes médicos desde 2016 e consumidores de uso adulto desde 2019, abrange uma gama diversificada de produtos, incluindo baseados com ou sem infusão de canabinoides e/ou terpenos — as fabricantes podem infundir óleo de maconha com alto teor de THC aos pré-enrolados, por exemplo.

De acordo com os regulamentos, se uma fabricante adicionar um produto de cannabis às flores ou baseados, o produto resultante desse processo deverá passar novamente pelos testes de conformidade antes de ser comercializado.

Mas, segundo a Flavor Galaxy, esse não é o caso de seus baseados que estão sendo recolhidos.

“Queremos garantir aos nossos valiosos consumidores de cannabis e parceiros de varejo de confiança que em nenhum momento a Flavor Galaxy adicionou qualquer produto ou ingrediente de maconha a qualquer um de nossos produtos após testes de conformidade de segurança ou depois de estarem na forma final”, disse a empresa em um comunicado à imprensa.

De qualquer forma, a proteção da saúde pública promovida pelo governo de Michigan é um exemplo a ser seguido por outros governos, como o do Brasil que sujeita os consumidores a produtos de maconha sem qualquer controle de qualidade e segurança, muitas vezes repletos de fungos e sujeiras.

A agência reguladora de Michigan disponibiliza, inclusive, um formulário on-line e número de telefone para que os consumidores relatem qualquer reação adversa que venham a ter caso tenham consumido o produto alvo do recolhimento.

Leia mais: Michigan (EUA) encerra testes de maconha pré-emprego para funcionários públicos

Geração de empregos e receitas

Em Michigan, o governo optou ainda por gerar empregos e receitas de impostos com a indústria da cannabis, diferente do que acontece no Brasil onde o legislador decidiu financiar o crime organizado e luta para manter o mercado e os consumidores criminalizados.

As lojas de maconha de Michigan venderam mais de US$ 3 bilhões em cannabis em 2023, batendo um novo recorde de vendas, de acordo com os dados divulgados pela CRA. O total das compras registradas no ano passado, incluindo para uso adulto e medicinal, foi um terço maior do que o total de US$ 2,29 bilhões de 2022 e dois terços maior do que todas as vendas realizadas em 2021.

Segundo o Marijuana Moment, as vendas de maconha para uso adulto no Michigan representaram a maior parte da atividade do mercado durante o ano passado, com o mercado medicinal representando participações cada vez menores com o passar dos meses. Em dezembro, por exemplo, os varejistas para uso adulto venderam US$ 276,7 milhões — cerca de 99% de todas as vendas de cannabis — enquanto os dispensários medicinais registraram US$ 3,2 milhões em vendas.

Durante o ano fiscal de 2023, que terminou em 30 de setembro, o estado de Michigan arrecadou US$ 266,2 milhões em impostos sobre as vendas de maconha, um aumento de 49% em relação ao ano anterior, de acordo com um relatório da Agência Fiscal da Câmara. As vendas de cannabis para uso adulto incorrem em um imposto especial de consumo de 10% e um imposto estadual sobre vendas de 6%.

Atualmente, existem 2.206 empresas licenciadas de cannabis no mercado para uso adulto de Michigan, a maioria das quais são produtoras — o número também inclui 793 varejistas licenciados, 266 processadoras e 43 organizadoras de eventos sobre maconha. O mercado medicinal, por sua vez, totalizou 1.440 licenças ativas, sendo a maior parte de cultivadoras.

Leia também:

Mercado legal de cannabis emprega mais de 440 mil pessoas nos Estados Unidos

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!