Mercado de maconha legal do Canadá continua minando mercado ilícito, diz pesquisa

Fotografia mostra um cultivo de maconha (cannabis), que preenche todo o quadro, com foco em um dos top buds, ao centro. Imagem: Unsplash / Crystalweed.

O mercado regulamentado de maconha do Canadá continua a corroer a participação do mercado ilícito, de acordo com a pesquisa anual sobre cannabis do governo canadense

Os resultados da Pesquisa Canadense de Cannabis, baseados em respostas on-line de cerca de 10.000 pessoas, mostram que, entre aqueles que consumiram maconha nos últimos 12 meses, apenas 5% relataram sempre obter cannabis de uma fonte ilegal — uma diminuição de 7% em 2021 e 9% em 2020.

Ao mesmo tempo, a pesquisa viu 48% dos entrevistados que consumiram cannabis no ano anterior dizendo que sempre obtiveram sua maconha de uma fonte legal — o que se compara com 43% em 2021 e 37% em 2020.

Esse deslocamento de consumidores do mercado ilegal para o mercado regulamentado mostra que a legalização está alcançando seus objetivos de proteção da saúde e segurança pública.

Leia também: Canadá aumenta limite de posse de bebidas à base de maconha

A Lei da Cannabis (Cannabis Act) entrou em vigor em outubro de 2018 e fornece acesso legal à maconha para uso adulto, enquanto controla e regula sua produção, distribuição e venda.

O governo canadense também descobriu que 67% daqueles que consumiram a planta no ano anterior nunca obtiveram maconha de fontes ilegais, enquanto 15% nunca obtiveram seus produtos de fontes licenciadas.

Entre os canadenses que obtiveram cannabis de uma fonte legal, 87% relataram comprar em lojas físicas e 20% em um varejista on-line — somente 5% responderam optar pelo cultivo caseiro.

O valor do gasto médio mensal com maconha para uso adulto parece estar diminuindo desde a legalização, de acordo com uma análise ano a ano da pesquisa.

As pessoas que usaram cannabis nos últimos 12 meses indicaram gastar cerca de CA$ 65 (R$ 248) em produtos de maconha a cada mês — em 2017, o gasto médio mensal era de CA$ 75 (R$ 287).

Leia mais: Consumidores de maconha no Canadá melhoram percepção sobre o mercado legal

Com mais pessoas relatando acessar cannabis do mercado legal, obviamente, a pesquisa também viu os gastos com maconha ilegal diminuírem a uma taxa maior do que os gastos com cannabis lícita.

Os canadenses que usaram maconha nos últimos 30 dias relataram gastar aproximadamente CA$ 65 em fontes legais (um aumento de CA$ 55 em 2021 e CA$ 49 em 2020) e CA$ 19 em fontes ilegais (uma redução de CA$ 31 em 2021 e CA$ 47 em 2020) no mês anterior.

No geral, a frequência do uso de cannabis não mudou significativamente desde a legalização. A proporção daqueles que relatam uso diário de maconha tem se mantido estável desde 2017, inclusive entre jovens de 16 a 19 anos.

Em junho de 2019, oito meses após a promulgação da legalização do uso adulto, 18% dos entrevistados que consumiram cannabis no ano anterior relataram consumo diário. O número é praticamente o mesmo em todos os anos desde 2017.

Leia mais: Vendas de baseados infundidos prosperam no Canadá

Além disso, o consumo de maconha nos últimos 12 meses entre jovens de 16 a 19 anos voltou aos níveis anteriores à legalização em 2021 e 2022, após aumentar entre 2018 e 2020, segundo a pesquisa.

Os entrevistados também foram solicitados a classificar quais fatores mais influenciaram “de quem eles geralmente obtêm cannabis”. Os três fatores com maior percentual de classificação de primeira prioridade foram preço (30%), abastecimento seguro (23%) e qualidade (12%).

Fumar ainda é o método mais comum de consumir maconha, segundo a pesquisa, seguido por comer e vaporizar com uma caneta vape ou cigarro eletrônico.

A pesquisa deste ano compreende o 6º ciclo de coleta de dados, que começou em 4 de abril de 2022 e terminou em 20 de junho de 2022. Os resultados foram ponderados por província/território, faixa etária e sexo ao nascer.

“Os resultados da Pesquisa Canadense de Cannabis serão usados para informar o desenvolvimento de políticas e programas e ajudar a direcionar as atividades de educação e conscientização do público”, diz um comunicado da Health Canada, agência ligada ao governo canadense responsável pela saúde de seus cidadãos.

Segundo a agência, os dados da pesquisa também ajudarão a informar a revisão legislativa da lei da cannabis, que está sendo liderada por um painel de especialistas independentes e busca contribuir para que a lei continue a atender às necessidades dos canadenses.

Veja também:

EUA: legalização da cannabis reduz detenções mesmo em estados descriminalizados

#PraTodosVerem: fotografia mostra um cultivo de maconha, que preenche todo o quadro, com foco em um dos top buds, ao centro. Imagem: Unsplash / Crystalweed.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!