Extrato de maconha demonstra eficácia no tratamento de epilepsia refratária em adultos

Fotografia em plano fechado que mostra uma seringa, preenchida parcialmente com uma substância de cor escura, ao lado de uma flor seca de maconha com pistilos marrons, sobre uma superfície branca. Cientistas.

Uma formulação magistral à base de cannabis reduziu em mais de 50% a frequência de convulsões

A cannabis é altamente eficaz no tratamento de epilepsia resistente ao tratamento em pacientes adultos, segundo um novo estudo publicado na Neurological Sciences.

Uma coorte de 44 pacientes adultos portadores de epilepsia focal refratária recebeu uma dose diária de extrato de maconha (100 mg/ml de CBD e menos de 1,9 mg/ml de THC), administrada a 0,1 ml por via sublingual a cada 12 horas, durante três meses.

Leia também: Cannabis mostra potencial neuroprotetor contra a doença de Alzheimer

Após o tratamento com cannabis, 80% dos pacientes apresentaram uma redução de mais de 50% nas convulsões, sendo que apenas cinco participantes relataram qualquer reação adversa.

“A CBMF [formulação magistral à base de cannabis] é uma terapia altamente eficaz e segura para tratar pacientes adultos com DRFE [epilepsia focal resistente a medicamentos]”, concluiu o autor do estudo. “A redução na frequência de convulsões é mantida ao longo do tempo.”

 

 

 

O estudo foi realizado pelo neurologista Cristian Eduardo Navarro, membro do Grupo de Pesquisa em Neurologia da Universidade Nacional da Colômbia.

Leia mais: Estudo associa uso de flores de maconha a melhorias na qualidade de vida em autistas

As descobertas estão disponíveis em um artigo publicado na Neurological Sciences, a revista da Sociedade Italiana de Neurologia.

Dito isso, uma revisão recente dos estudos sobre o uso da cannabis na epilepsia refratária em crianças mostra que o uso de medicamentos à base de maconha é eficaz na redução das crises epiléticas em pacientes pediátricos.

A revisão, que incluiu estudos com crianças a partir de um mês de vida, mostra que a maioria dos pacientes utilizou óleo de canabidiol purificado (60%) e 40% produtos contendo CBD e tetraidrocanabinol (THC).

Os estudos envolveram crianças com síndrome de Lennox-Gastaut, West, Dravet, Doose, Ohtahara, epilepsia focal e multifocal, encefalopatia epilética, epilepsia generalizada, epilepsia infantil intratável, espasmos infantis, Sturge-Weber e epilepsia infantil de ausência focal.

Veja também:

Nova resolução do CFM sobre uso de canabidiol reitera perseguição da entidade à cannabis

#PraTodosVerem: fotografia mostra uma seringa preenchida parcialmente com um extrato de cannabis de cor escura e uma inflorescência seca de maconha sobre uma superfície branca. Foto: Pinterest.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!