Mais um estudo mostra que legalizar a maconha não faz aumentar o uso por adolescentes

Fotografia mostra uma porção de buds de maconha sobre a palma de uma mão estendida, em fundo azul e branco embaçado. Imagem: Rodnae Productions | Pexels.

A mudança de política promovida por estados americanos não foi significativamente relacionada a um aumento ou diminuição da probabilidade ou frequência de consumo por jovens, descobriram os pesquisadores

A legalização da maconha pelos estados nos EUA não está associada ao aumento do uso de cannabis entre os adolescentes, segundo um novo estudo publicado no American Journal of Preventive Medicine.

Pesquisadores da Universidade de Washington, Universidade Estadual do Colorado e Centro de Aprendizagem Social do Oregon analisaram dados de três estudos longitudinais de jovens centrados nos estados de Oregon, Nova York e Washington e abrangendo dados entre 1999 a 2020.

Leia também: Legalização da maconha não fez aumentar o uso entre jovens no Uruguai, mostra estudo

Durante esse período, Washington (2012) e Oregon (2015) legalizaram o uso adulto da maconha. Nova York aprovou a legalização no ano passado, mas o mercado de varejo ainda não entrou em operação.

A pesquisa, financiada pelo Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas dos Estados Unidos, descobriu que “a mudança no status de legalização na adolescência não foi significativamente relacionada à mudança pessoal na probabilidade ou frequência do uso autorrelatado de cannabis no ano anterior”.

Leia mais: Estudo mostra redução de crimes relacionados à cannabis entre jovens após legalização

“Os jovens que passaram a maior parte de sua adolescência sob legalização não tinham mais ou menos probabilidade de ter usado maconha aos 15 anos do que os adolescentes que passaram pouco ou nenhum tempo sob legalização”, escreveram os autores no artigo.

 

 

“As taxas de uso de maconha por adolescentes podem se manter estáveis após a legalização da maconha não medicinal para adultos, mas a vigilância contínua é recomendada”, concluíram os pesquisadores. “Dados os impactos da legalização no aumento do uso de cannabis pelos pais, estudos futuros devem considerar se os filhos de pais que usam cannabis são mais suscetíveis aos impactos da legalização do que os filhos de pais que se abstêm.”

Leia mais: Consumo de álcool, tabaco e analgésicos por jovens caiu após a legalização da maconha

As descobertas aumentam um corpo já considerável de evidências que derrubam o mito proibicionista de que a legalização da maconha faz aumentar o consumo entre jovens.

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan analisou as tendências de consumo de cannabis em uma coorte de mais de 800.000 pessoas e descobriu que a legalização da maconha para uso adulto não faz aumentar o uso entre menores de 21 anos.

“As evidências indicam que não há mudanças associadas a políticas na ocorrência de novos incidentes de cannabis em menores de idade, mas um aumento na ocorrência de novos inícios de uso de cannabis entre adultos mais velhos”, escreveram os autores em um artigo publicado em julho na PLoS One.

Leia também: Legalização da maconha não fez aumentar o uso entre jovens, diz novo relatório

Uma outra pesquisa do Departamento de Saúde Pública do Colorado revela que em 2021 os adolescentes tinham 35% menos probabilidade de consumir maconha do que nos anos anteriores — uma tendência que vem se confirmando desde 2013, quando a pesquisa começou.

Além disso, o estudo também revelou um declínio do número de adolescentes que disseram que seria fácil obter cannabis se quisessem. Em 2021 pouco mais de 40% dos estudantes afirmaram que poderiam acessar facilmente, em contraste com os 55% que disseram isso em 2013 — as vendas legais de maconha para uso adulto começaram em 2014 no estado.

Leia também:

Cannabis fumada e cigarros eletrônicos podem prejudicar o coração, diz estudo

#PraTodosVerem: fotografia mostra uma porção de buds de maconha sobre a palma de uma mão estendida, em fundo azul e branco embaçado. Imagem: Rodnae Productions | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!