Legalização da maconha não leva a um aumento do uso entre adolescentes, segundo mais um estudo

Foto mostra a parte de baixo do corpo de uma pessoa que segura uma mochila preta. Imagem: Scott Webb | Unsplash.

Um corpo crescente de estudos vem derrubando o mito proibicionista de que a venda legal de cannabis provoca o aumento do consumo por jovens

Dados publicados recentemente na revista Addictive Behaviors mostram que a implementação da venda de cannabis para uso adulto no estado de Nevada (Estados Unidos) não foi associada a um aumento no uso de maconha entre adolescentes.

Uma equipe de cientistas afiliados às Universidades de Nevada e do Novo México comparou as mudanças no uso de maconha entre estudantes do ensino médio nos dois estados, entre os anos de 2017 e 2019. Nevada permitiu as vendas de cannabis no varejo em meados de 2017, enquanto no Novo México o uso adulto da planta seguiu proibido durante todo o período do estudo.

A análise dos dados, extraídos de pesquisas sobre o comportamento de risco juvenil, revelou que “não houve mudança imediata no uso de maconha ao longo da vida ou nos últimos 30 dias entre adolescentes em idade escolar em Nevada, em comparação com o Novo México”.

“Não houve diferença no uso de maconha ao longo da vida e nos últimos 30 dias por status de venda para uso adulto”, escreveram os pesquisadores, observando que as chances de uso de cannabis “aumentaram em ambos os estados, especialmente entre estudantes do sexo feminino, mais velhos, não brancos ou que frequentavam uma escola do Título 1 [programa financiado pelo governo federal dos EUA que apoia estudantes de baixa renda]”.

Leia também: Jovens geralmente consomem álcool e tabaco antes de experimentar cannabis

Os resultados são consistentes com estudos anteriores que não encontraram evidências de aumentos significativos no uso de maconha por jovens após o início das vendas de cannabis para uso adulto.

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, publicado em 2022, analisou as tendências de uso de maconha em uma coorte de mais de 800.000 pessoas e descobriu que a legalização da cannabis por estados americanos não faz aumentar o consumo da planta entre pessoas com menos de 21 anos.

Outro estudo, financiado pelo governo do Colorado, revelou que em 2021 os adolescentes tinham 35% menos probabilidade de consumir maconha no estado do que nos anos anteriores — tendência que vem se confirmando desde 2013, quando a pesquisa começou. (O Colorado legalizou o consumo social da cannabis em 2012 e os dispensários do mercado de uso adulto iniciaram as vendas em janeiro de 2014.)

Uma outra pesquisa, divulgada em 2022 no American Journal of Preventive Medicine, analisou dados de três estudos longitudinais de jovens centrados nos estados de Oregon, Nova York e Washington, abrangendo dados entre 1999 a 2020, e descobriu que “os jovens que passaram a maior parte de sua adolescência sob legalização não tinham mais ou menos probabilidade de ter usado maconha aos 15 anos do que os adolescentes que passaram pouco ou nenhum tempo sob legalização”.

Leia mais: Consumo excessivo de álcool entre adolescentes diminui com legalização da maconha

Já a pesquisa Monitoring the Future, financiada pelo governo dos EUA, revelou que o uso de maconha entre adolescentes permaneceu estável em 2022, após um declínio significativo em 2021. Isso é ainda mais notável considerando que mais mercados de uso adulto, como Nova Jersey e Rhode Island, entraram em operação nesse período.

A Divisão de Saúde do Adolescente e Escolar dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA divulgaram um relatório no ano passado revelando que o uso de maconha e outras substâncias entre estudantes do ensino médio no país diminuiu de 2019 a 2021, apesar do número crescente de estados americanos que legalizam a cannabis para uso adulto.

A tendência de redução do consumo de maconha após a mudança de política também foi observada no Canadá. Os jovens adultos que usavam cannabis com frequência antes da legalização “exibiram reduções substanciais no uso e nas consequências” relacionadas à planta após o fim da proibição no país, descobriu um estudo feito por pesquisadores da Universidade McMaster em Ontário.

Os pesquisadores canadenses também constataram que os participantes do estudo que nunca tinham consumido maconha não apresentaram aumentos significativos no uso após a legalização.

Leia também:

Jovens em risco de psicose que usam maconha apresentaram melhora dos sintomas, segundo estudo

Imagem em destaque: Scott Webb | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!