Universidade Johns Hopkins está pagando voluntários para comerem brownies de maconha

Fotografia mostra três brownies de chocolate empilhados sobre um pires preto e decorados com folhas de maconha, no topo e forrando o pratinho, em uma superfície cinza que se mistura ao fundo. Imagem: Freepik | jcomp.

Os participantes que concluírem o estudo podem receber até US$ 2.660

Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, em Maryland (EUA), estão procurando pessoas saudáveis que queiram comer brownies de cannabis e beber álcool e serem pagas para participar de um estudo.

O intuito do estudo é explorar como os indivíduos se saem em testes de desempenho depois de consumirem o comestível canábico e álcool, segundo um boletim publicado nesta semana pelo investigador principal Tory Spindle.

Spindle, PhD e professor assistente de psiquiatria e ciências comportamentais, está convocando adultos saudáveis na faixa de 21 a 50 anos para preencher um questionário e participar de uma sessão de triagem em pessoa durante dois dias para determinar a elegibilidade para o estudo.

Os participantes que forem elegíveis e concordarem em participar do estudo precisarão fazer mais sete visitas ao laboratório, localizado no Bayview Medical Center, para completar “sete sessões de administração de drogas, cada uma com duração de cerca de 10 horas”, diz o boletim.

Leia também: Correio britânico investiga carteiros que comeram brownies de maconha

No questionário de triagem, os participantes são informados de que o objetivo do estudo é aprender mais sobre como a cannabis comestível e o álcool afetam a capacidade das pessoas de realizar certas tarefas, como dirigir, equilibrar, memória de curto prazo e atenção, quando essas substâncias são tomadas sozinhas e ao mesmo tempo.

O aviso não especifica exatamente quais testes serão realizados. Mas os participantes que concluírem o estudo podem receber até US$ 2.660.

Não é a primeira vez que a Johns Hopkins remunera voluntários para estudos envolvendo cannabis. A universidade já pagou participantes de estudos anteriores para fumar ou vaporizar maconha e também para ingerir brownies infundidos com a planta.

E não é apenas a Johns Hopkins que está pagando os participantes de estudos que incluem o uso de cannabis.

A Universidade do Colorado em Boulder está recrutando voluntários que já fazem a combinação de maconha com exercícios para estudar os efeitos que o consumo de THC e CBD têm na atividade física em geral e, mais especificamente, no prazer, recuperação e motivação.

Os participantes desse estudo receberão até US$ 100 para usar cannabis, completar uma corrida de 30 minutos em uma esteira, preencher questionários e fornecer amostras de sangue.

Leia também:

Mito do maconheiro preguiçoso é destruído pela ciência: usuários de cannabis não fazem menos exercícios

#PraTodosVerem: fotografia mostra três brownies de chocolate empilhados sobre um pires preto e decorados com folhas de maconha, no topo e forrando o pratinho, em uma superfície cinza que se mistura ao fundo. Imagem: Freepik | jcomp.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!