Eleições EUA: Joe Biden quer mudar imagem de difusor da maconha como droga de entrada

Fotografia em primeiro plano de Joe Biden, com os braços flexionados para cima, as mãos abertas e os olhos cerrados, enquanto fala ao microfone, e um fundo escuro. Foto: Gage Skidmore | Creative Commons.

Ex-vice-presidente e senador por seis mandatos, o democrata Joe Biden sempre propagou a ideologia de que a maconha é uma ‘droga de entrada‘, porém, desde o lançamento de sua candidatura presidencial, ele inverteu seu discurso, apoiando a descriminalização da erva. Com informações da Forbes e tradução pela Smoke Buddies

O ex-vice-presidente Joe Biden (D) realmente quer ter certeza de que você ainda não acredita que a maconha seja uma droga porta de entrada.

“Quando você fala sobre maconha, todo mundo diz: ‘Biden diz que é uma droga porta de entrada'”, lamentou o candidato presidencial de 2020 em uma entrevista ao The Shade Room, publicada na terça-feira. “Eu não acho que seja uma droga porta de entrada”.

De fato, Biden mudou de posição ao longo do tempo sobre a questão de se o uso de cannabis leva ao consumo de outras drogas.

Em 2010, o então vice-presidente disse à ABC News que “eu ainda acredito que é uma droga porta de entrada. Passei grande parte da minha vida como presidente do Comitê Judiciário lidando com isso. Eu acho que seria um erro legalizar”.

Essa postura foi consistente com a visão que ele assumiu durante a maior parte de sua vida política, durante a qual liderou o comando de acelerar a guerra às drogas como senador.

Desde o lançamento de sua mais recente candidatura presidencial, em um momento em que a grande maioria dos eleitores democratas apoia a legalização da cannabis, no entanto, Biden começou a evoluir sua posição em relação à maconha.

Leia: Pete Buttigieg promete sobrevoar os EUA se for necessário para legalizar a maconha no país

Enquanto ele continua se opondo à legalização, ele apoia reformas mais modestas, como descriminalizar a posse, eliminar registros passados, permitir a cannabis medicinal e permitir que os estados estabeleçam suas próprias leis sem interferência federal.

Mas foi apenas há menos de quatro meses que o candidato pontificou que a teoria da porta de entrada poderia ter alguma credibilidade.

Em novembro do ano passado, Biden foi duramente criticado por sugerir que “não há evidências suficientes para saber se é ou não uma droga porta de entrada.

“É um debate, e quero muito mais antes de legalizá-la nacionalmente”, disse ele. “Quero ter certeza de que sabemos muito mais sobre a ciência por trás disso”.

Dias depois, Biden foi eviscerado pelo comentário no palco do debate pelo então candidato rival senador Cory Booker (D-NJ). “Eu pensei que você poderia estar chapado quando disse isso”, brincou o senador.

E apenas alguns dias depois, Biden se inverteu sobre a questão da cannabis, dizendo a repórteres em uma teleconferência que “não acho que seja uma droga porta de entrada”.

“Não há evidências que sugiram isso”, disse ele.

Mais tarde, em uma entrevista ao conselho editorial do New York Times publicada em janeiro, Biden novamente enfatizou que ele não pensava mais que a maconha é uma droga porta de entrada, mas acrescentou que “existem estudos mostrando que isso complica outros problemas se você já tiver um problema com certas drogas”.

Na nova entrevista ao The Shade Room, Biden reiterou seu novo apoio a reformas que ficam aquém da política de legalização completa da cannabis adotada pelo senador Bernie Sanders (I-VT), seu principal rival restante na indicação democrata.

Acho que devemos descriminalizar totalmente o uso e a posse de maconha“, disse ele. “Não apenas descriminalizá-la. Se você já foi condenado por qualquer coisa relacionada ao porte ou uso de maconha, seu registro deverá ser limpo. Com isso, eu quero dizer que você estará legalmente habilitado a dizer, se foi preso e se foi colocado na prisão, que, adivinhe só, quando você estiver se candidatando a um emprego [que diz] ‘você já esteve preso ou na prisão?’, você poderá legalmente dizer não”.

Mas ele novamente expressou preocupação de que a cannabis possa causar danos a algumas pessoas.

“É aqui que as coisas ficam confusas”, disse ele. “Alguns cientistas dizem que isso pode ter um impacto na saúde mental de algumas pessoas. Eu não acho que devemos criminalizar, mas devemos pelo menos estudá-la. A ciência faz a diferença”.

No início da entrevista, Biden foi pressionado por seu longo histórico de apoio à legislação punitiva severa, como a Lei do Crime de 1994, respondendo que ela era apoiada na época por muitos líderes negros.

Ele também elogiou sua liderança no estabelecimento de ‘tribunais de drogas’.

“Quem é condenado por um crime relacionado a uma droga não deve ir para a prisão”, disse ele. “Eles deveriam ir para a reabilitação”.

Sanders, por sua vez, prometeu legalizar a maconha em todo o país no primeiro dia de sua presidência. Especialistas jurídicos, no entanto, questionaram se um presidente teria o poder de cumprir tal promessa.

Leia também:

Eleições EUA: Mike Bloomberg quer descriminalizar a maconha, mas recusa legalização

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em primeiro plano de Joe Biden, com os braços flexionados para cima, as mãos abertas e os olhos cerrados, enquanto fala ao microfone, e um fundo escuro. Foto: Gage Skidmore | Creative Commons.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!