Incidência de psicose não aumentou com a legalização da maconha, mostra estudo canadense

Foto mostra a mão de uma pessoa que segura a folha de uma planta de maconha pelo pecíolo, enquanto a toca por baixo com a outra mão, e as outras folhas do cultivo, ao fundo, em um ambiente escuro. Crédito: Kindel Media | Pexels.

Descoberta condiz com estudos anteriores que não encontraram associação entre a mudança de política e aumentos nas taxas de transtornos psicóticos

A legalização da maconha para uso adulto no Canadá não provocou um aumento de casos de psicose, de acordo com um novo estudo. Os dados publicados recentemente no International Journal of Drug Policy contradizem a teoria proibicionista que vincula o uso de cannabis à ocorrência de transtornos psicóticos.

Uma equipe de pesquisadores afiliados a várias universidades e instituições de pesquisa canadenses examinou as mudanças no uso dos serviços de saúde e a incidência de perturbações psicóticas na província de Ontário, entre os anos de 2014 e 2020 — o Canadá legalizou o uso social e a venda de maconha em outubro de 2018.

“Não encontramos evidências de aumento no uso de serviços de saúde ou de casos incidentes de transtornos psicóticos no curto prazo (17 meses) após a legalização da cannabis”, escreveram os autores no artigo.

Leia também: Exposição adolescente à maconha não está associada à psicose na idade adulta

Os pesquisadores, no entanto, advertem que o mercado de maconha canadense era mais restrito em sua fase inicial, sendo “necessário um período de observação pós-legalização mais longo, que inclua a expansão do mercado comercial de cannabis, para compreender plenamente os impactos da legalização da cannabis não medicinal a nível populacional”.

A descoberta é consistente com estudos anteriores que também não encontraram uma associação entre a legalização da maconha e aumentos nas taxas de casos de psicose.

Um estudo publicado em 2022 no JAMA Network Open, por exemplo, revelou não haver aumento estatisticamente significativo nas taxas de diagnósticos relacionados à psicose ou antipsicóticos prescritos em estados americanos com políticas de legalização da cannabis para uso adulto ou medicinal.

Leia mais: Não há ligação entre maconha com alto teor de THC e psicose, segundo mais um estudo

Outro estudo, divulgado no Canadian Journal of Psychiatry, concluiu que a implementação da estrutura de legalização da maconha no Canadá não foi associada a evidências de mudanças significativas nas apresentações de psicose ou esquizofrenia induzida por cannabis no departamento de emergência.

A associação entre o uso de maconha e o desenvolvimento de psicose também já foi refutada pela ciência.

Uma pesquisa publicada na revista Psychiatry and Clinical Neurosciences não encontrou nenhuma associação significativa entre o uso de cannabis e o desenvolvimento de transtornos psicóticos.

O estudo avaliou 334 indivíduos com alto risco de psicose e 67 indivíduos controles saudáveis no início do estudo, que foram acompanhados por um período de dois anos usando uma versão modificada do Questionário de Experiência com Cannabis (Cannabis Experience Questionnaire).

“Não houve associação significativa entre qualquer medida de uso de cannabis no início do estudo e transição para psicose, persistência de sintomas ou resultados funcionais”, disseram os pesquisadores.

Leia também:

Jovens em risco de psicose que usam maconha apresentaram melhora dos sintomas, segundo estudo

Imagem em destaque: Kindel Media | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!