França volta a entrar na indústria da maconha medicinal após mais de meio século de hiato

planta vegetativo França volta a entrar na indústria da maconha medicinal após mais de meio século de hiato

O programa-piloto de cannabis para fins medicinais em andamento não é a primeira incursão do país na indústria. Saiba mais no artigo do historiador David A. Guba Jr., publicado originalmente no The Conversation

No início de 2022, a legislatura francesa deu luz verde ao cultivo de cannabis dentro do território francês para abastecer o programa-piloto de maconha medicinal do país. Os ensaios clínicos foram lançados em março de 2021 com cannabis fornecida do exterior e foram supervisionados pelo escritório de alimentos e drogas da França, a Agence Nationale de Sécurité du Médicament, ou Agência Nacional para a Segurança de Medicamentos e Produtos de Saúde.

Este programa-piloto de dois anos consiste em 3.000 pacientes na França usando cannabis medicinal, algo proibido desde 1953.

Leia mais: França autoriza o cultivo de cannabis para fins medicinais

Embora a agência tenha elogiado o programa por seus esforços inovadores para produzir “os primeiros dados franceses sobre a eficiência e segurança” da cannabis para terapias médicas para tratar câncer, danos nos nervos e epilepsia, o teste não é a primeira incursão do país na indústria de cannabis medicinal. Longe disso.

“Uma droga a não ser negligenciada”

Sou um historiador da cannabis e do colonialismo na França moderna. Minha pesquisa descobriu que em meados do século 19, Paris funcionou como o epicentro de um movimento internacional para medicalizar o haxixe, um produto rico em THC feito a partir da resina prensada de plantas de cannabis.

Muitos farmacêuticos e médicos que trabalhavam na França acreditavam que o haxixe era um tóxico perigoso e exótico do “Oriente” — o mundo árabe muçulmano — que poderia ser domado pela ciência farmacêutica e tornado seguro e útil contra as doenças mais assustadoras da época.

A partir do final da década de 1830, alguns desses mesmos farmacêuticos e médicos começaram a preparar e vender comestíveis com infusão de haxixe, pastilhas e tinturas — álcool infundido com haxixe — e até “cigarros medicinais” para asma em farmácias de todo o país.

Leia também: Maconha era vendida como medicamento no Brasil antes de ser criminalizada

Ao longo das décadas de 1840 e 1850, dezenas de farmacêuticos franceses apostaram suas carreiras no haxixe, publicando dissertações, monografias e artigos revisados por pares sobre seus benefícios medicinais e científicos.

O epidemiologista francês Louis-Rémy Aubert-Roche publicou um tratado em 1840 no qual argumentava que o haxixe, administrado como um pequeno comestível chamado “dawamesk” tomado com café, curou com sucesso a peste em sete dos 11 pacientes que tratou nos hospitais de Alexandria e Cairo, durante a epidemia de 1834-35. Aubert-Roche foi um anti-contagionista na era anterior à teoria dos germes — a ideia de que os micróbios podem levar a doenças — se tornar dogma científico. Ele, como a maioria dos médicos da época, acreditava que a peste era uma doença intransmissível do sistema nervoso central que se espalhava para os humanos via “miasma”, ou ar ruim, em áreas não higiênicas e mal ventiladas.

Aubert-Roche acreditava assim, confundindo alívio dos sintomas e sorte com cura, que a intoxicação pelo haxixe excitava o sistema nervoso central e neutralizava os efeitos da peste. “A peste”, escreveu ele, “é uma doença dos nervos. O haxixe, substância que atua sobre o sistema nervoso, me deu os melhores resultados. Acredito, portanto, que é uma droga que não deve ser negligenciada.”

Haxixe contra a loucura

O médico Jacques-Joseph Moreau de Tours, organizador do infame Club des Hachichins em Paris durante a década de 1840, também anunciou o dawamesk como um remédio homeopático maravilhoso para o tratamento de doenças mentais. Moreau acreditava que a insanidade era causada por lesões no cérebro e também acreditava que o haxixe neutralizava os efeitos.

Moreau relatou em seu trabalho de 1845, “Du Hachisch et l’aliénation mentale” (“Sobre o haxixe e a doença mental”), que entre 1840 e 1843 ele curou sete pacientes que sofriam de doenças mentais no Hôpital Bicêtre, no centro de Paris, com haxixe. Moreau não estava totalmente fora da base; hoje medicamentos à base de cannabis são prescritos para depressão, ansiedade, transtorno de estresse pós-traumático e transtornos bipolares.

Apesar do pequeno tamanho da amostra, médicos dos EUAReino Unido, AlemanhaItália publicaram críticas favoráveis ao trabalho de Moreau com haxixe durante o final da década de 1840 e ao longo da década de 1850. Um elogiou-o como uma “descoberta de muita importância para o mundo civilizado”.

Leia mais: Pessoas com depressão e ansiedade percebem melhora na insônia com uso de maconha

Guerras de tintura

Embora os médicos na França e no exterior tenham anunciado o dawamesk como uma cura milagrosa, eles também reclamaram da incapacidade de padronizar as doses devido à variação na potência de diferentes plantas de cannabis. Eles também escreveram sobre os desafios colocados pela adulteração comum do dawamesk, que foi exportado do norte da África e muitas vezes misturado com outros extratos de plantas psicoativas.

No início da década de 1830, vários médicos e farmacêuticos do Império Britânico tentaram resolver esses problemas dissolvendo haxixe em álcool para produzir uma tintura. Em meados da década, os médicos franceses seguiram o exemplo. Eles desenvolveram e comercializaram suas próprias tinturas de haxixe para pacientes franceses. Um farmacêutico em Paris, Edmond de Courtive, batizou sua mistura de “Hachischine” em homenagem aos infames assassinos muçulmanos frequentemente associados ao haxixe na cultura francesa.

A popularidade da tintura de haxixe cresceu rapidamente na França durante o final da década de 1840, atingindo o pico em 1848. Foi quando o farmacêutico Joseph-Bernard Gastinel e o já mencionado De Courtive travaram uma batalha legal sobre a patente — então conhecida como “direito à prioridade” — para uma tintura fabricada através de um método de destilação particular. “L’Affaire Gastinel”, como a imprensa o chamava, ou The Gastinel Affair, causou alvoroço nos círculos médicos franceses e ocupou as páginas de jornais e revistas em Paris durante grande parte daquele outono.

Para defender sua patente, Gastinel enviou dois colegas para defender seu caso na Academia de Medicina em outubro de 1848. Um deles, um médico chamado Willemin, afirmou que não apenas Gastinel inventou o método de destilação da tintura em questão, mas que sua tintura oferecia uma cura para cólera, também considerada uma doença dos nervos.

Leia também: O médico europeu que deu início à pesquisa com maconha há mais de 170 anos

Embora Willemin não tenha conseguido convencer o direito à prioridade de Gastinel na Academia, ele convenceu os médicos em Paris a adotar a tintura de haxixe como tratamento contra a cólera.

Os médicos em Paris não tiveram que esperar muito para testar a teoria de Willemin. Uma epidemia de cólera eclodiu nos arredores da cidade apenas alguns meses depois. Mas quando a tintura de haxixe não conseguiu curar os quase 7.000 parisienses mortos pela “morte azul”, os médicos perderam cada vez mais a fé na droga milagrosa.

Nas décadas seguintes, a tintura de haxixe caiu em descrédito à medida que as teorias médicas de anti-contagionismo que sustentavam o uso da droga contra a peste e a cólera deram lugar à teoria dos germes e, assim, uma nova compreensão das doenças epidêmicas e seu tratamento. Durante o mesmo período, médicos na Argélia francesa apontaram cada vez mais para o uso de haxixe como uma das principais causas de insanidade e criminalidade entre os muçulmanos indígenas, um diagnóstico que eles chamaram de “folie haschischique”, ou psicose induzida pelo haxixe. Anunciado como uma droga milagrosa apenas décadas antes, no final do século 19 a droga foi renomeada como um “veneno oriental” .

Lições para hoje

Na minha opinião, esses esforços anteriores para medicalizar o haxixe na França do século XIX oferecem aos médicos, autoridades de saúde pública e formuladores de políticas de hoje vários insights importantes enquanto trabalham para devolver medicamentos à base de cannabis ao mercado francês.

Primeiro, eles devem ter como objetivo dissociar os produtos de cannabis das noções coloniais de alteridade “oriental” e violência muçulmana que ironicamente sustentaram tanto a ascensão quanto a queda do haxixe como medicamento na França durante o século XIX. Como a estudiosa Dorothy Roberts argumentou astutamente em seu TED Talk de 2015, “medicina racial é medicina ruim, ciência pobre e uma falsa interpretação da humanidade”.

A meu ver, médicos e pacientes também devem moderar suas expectativas sobre os benefícios da cannabis medicinal e não prometer demais e depois entregar resultados medíocres, como aconteceu com a tintura de haxixe durante o surto de cólera de 1848-49.

E eles devem estar cientes de que o conhecimento médico se desdobra historicamente e que apostar na nova carreira da cannabis como remédio em teorias contestadas pode atrelar o sucesso da droga ao cavalo errado, como aconteceu com o haxixe após a obsolescência do anti-contagionismo na década de 1860.

Mas se a França engajar seu passado colonial, reformar suas políticas proibicionistas e continuar a abrir espaço legal para a cannabis medicinal e para uso adulto, acredito que talvez possa se tornar novamente um líder global nesse novo movimento da maconha medicinal.

Leia também:

Associações de cannabis lançam nota de repúdio à cartilha da maconha

#PraTodosVerem: foto, tirada de cima para baixo, mostra a folhagem de uma planta de maconha em período vegetativo de crescimento. Imagem: Unsplash | 2H Media.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!