Força Aérea e Força Espacial dos EUA relaxam política de cannabis para recrutas

Fotografia mostra seis aeronaves do esquadrão de demonstração da Força Aérea dos EUA voando em formação. Imagem: Mustang Joe / Flickr.

A mudança temporária de política marca uma tentativa de repensar um aspecto da proibição rigorosa dos ramos militares ao uso de maconha

A Força Aérea e a Força Espacial dos Estados Unidos estão oferecendo uma segunda chance aos recrutas que testarem positivo para o tetraidrocanabinol (THC), um dos compostos da cannabis.

Segundo o Air Force Times, o programa-piloto oferece a certos candidatos em potencial a oportunidade de testar novamente para a presença de THC após 90 dias, se receberem uma isenção.

Leia também: Baixas doses de THC podem aliviar os sintomas de pacientes com TEPT, revela estudo

Para obter essa isenção, os candidatos devem marcar pelo menos 50 pontos no Teste de Qualificação das Forças Armadas e atender a todos os padrões de qualificação, que incluem não ter condenações por crimes ou contravenções, possuir um diploma do ensino médio e ser medicamente qualificado para o serviço.

“Anteriormente, um resultado positivo de THC no teste inicial levaria a uma proibição permanente de entrada na [Força Aérea ou Força Espacial]”, disse a porta-voz da Força Aérea Ann Stefanek ao Air Force Times.

 

 

 

Agora, os recrutas que receberem a isenção e passarem em um segundo teste poderão se alistar.

O teste-piloto terminará em setembro de 2024 e alinha o Departamento da Força Aérea com o Exército, a Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais, que já possuem regras semelhantes em vigor.

Leia mais: Governo dos EUA procura empresa para cultivar maconha

As tropas são proibidas de consumir maconha ou qualquer produto derivado da planta sob as regras do Pentágono. No entanto, cabe aos serviços decidir como lidar com os candidatos que usam esses produtos antes de ingressar nas forças armadas.

Em abril de 2021, a Marinha iniciou um programa-piloto de dois anos no qual candidatos qualificados que testam positivo para THC podem obter uma isenção para passar novamente pelo processo de recrutamento após um período de espera de 90 dias.

O Exército também impõe um período de espera de 90 dias antes que os aspirantes a soldados com teste positivo para THC possam pedir uma isenção para ingressar no serviço — se um infrator primário der positivo para qualquer droga em seu segundo teste, ele será permanentemente desqualificado para se juntar ao principal ramo das Forças Armadas.

O Corpo de Fuzileiros Navais permite que recrutas positivos para THC solicitem uma isenção que anule sua desqualificação. Se aprovados, eles podem retornar às Estações de Processamento de Entrada Militar (MEPS) após 45 dias.

Dados do Departamento de Defesa dos EUA de 2020 fornecidos ao Air Force Times mostram que 8% dos estadunidenses entre 17 e 24 anos são desqualificados do serviço militar devido ao abuso de drogas, que abrange uma gama mais ampla de drogas prescritas e ilegais do que apenas a maconha.

Leia: Corte de Apelações dos EUA admite que classificação da maconha como droga classe 1 é irracional

Mais da metade de todos os novos recrutas militares vêm de estados onde a maconha é legal, disse a organização de pesquisa Rand Corporation, financiada pelo governo federal, no ano passado.

Em 19 estados, dois territórios e o Distrito de Colúmbia foram promulgadas medidas que permitem o uso adulto de cannabis, enquanto mais 18 estados e um território permitem o uso medicinal.

A Força Aérea recusa cerca de 50 candidatos a cada ano por terem THC em seu sistema, disse a porta-voz de recrutamento Leslie Brown ao Air Force Times.

O MEPS coleta esses dados em todas as forças armadas e não divide os números por serviço. Ainda assim, o número aumentou constantemente nos últimos anos, de 165 solicitantes positivos para THC em 2020 para 226 em 2021 e 290 em 2022.

Dito isso, dados divulgados no mês passado pela Gallup mostram que mais estadunidenses agora admitem abertamente que fumam cannabis ou consomem comestíveis canábicos do que dizem que fumam cigarros.

Uma pesquisa realizada em julho pela Gallup viu dezesseis por cento dos estadunidenses entrevistados relatando fumar maconha, enquanto apenas 11% relataram fumar tabaco.

Quase metade (48%) dos adultos nos EUA agora relatam ter experimentado maconha, acima dos 4% quando a Gallup fez a pergunta pela primeira vez em 1969.

Leia também:

Departamento de Agricultura dos EUA divulga relatório sobre benefícios econômicos e ambientais do cânhamo

#PraTodosVerem: fotografia mostra seis aeronaves do esquadrão de demonstração da Força Aérea dos EUA voando em formação. Imagem: Mustang Joe / Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!