O fim da guerra às drogas é mais do que urgente

A descriminalização das drogas e a disponibilização de mais recursos para tratamento e redução de danos podem transformar a vida das pessoas afetadas, uma transformação que, segundo o editorial do The Lancet HIV, “pode finalmente ser algo pelo qual vale a pena lutar”

Já se passaram 50 anos desde o discurso de 18 de junho de 1971 do presidente dos EUA, Richard Nixon, que divulgou a guerra contra as drogas do governo dos EUA. Nixon declarou que o consumo de drogas era “o inimigo público número um da América”. Apesar de Nixon mencionar “reabilitação, pesquisa e educação” em seu discurso, a “guerra às drogas” tem sido uma ofensiva, com intervenções militares, taxas de prisão crescentes e sentenças agressivas. Os EUA suportaram um custo enorme, tanto financeira quanto socialmente, com os mais marginalizados e vulneráveis ​​arcando com o maior fardo. Cinco décadas depois, e apesar de várias mudanças na administração, nenhum sinal de vitória pode ser visto. O uso de drogas floresce, com 13,0% (35,8 milhões) dos estadunidenses com 12 anos ou mais em 2019 relatando que usaram uma droga ilícita no mês anterior, conforme revelado pela Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde. No mesmo ano, houve 70.630 mortes devido a overdose de drogas, com 49.860 envolvendo opioides (das quais 14.139 foram devido a opioides prescritos).

Embora o HIV fosse desconhecido na época do discurso de Nixon, o destino da guerra contra as drogas e a epidemia de HIV estão interligados. Acredita-se que 186.500 dos 1,2 milhão de pessoas com HIV nos EUA tenham adquirido o vírus por meio do uso de drogas injetáveis. Apesar de os EUA terem visto uma queda geral nos diagnósticos de HIV nos últimos 5 anos, as infecções devido ao uso de drogas injetáveis ​​estão aumentando. Para que a ambiciosa meta de erradicar o HIV nos EUA até 2030 seja alcançada, as necessidades dos usuários de drogas injetáveis ​​serão uma parte fundamental da estratégia.

Leia mais: A guerra às drogas é um instrumento de aniquilação dos “indignos de vida”

Os efeitos da guerra contra as drogas não se limitam aos EUA e os usuários de drogas injetáveis ​​enfrentam o estigma e a criminalização em todo o mundo. Globalmente, cerca de uma em cada oito pessoas que usam drogas injetáveis ​​vive com HIV, e os usuários de drogas injetáveis ​​têm 29 vezes mais probabilidade de adquirir o HIV do que os não usuários. Em 2019, como mostra o novo relatório do UNAIDS “Global Commitments, Local Action” , 10% das novas infecções em todo o mundo foram em usuários de drogas injetáveis. Muitas dessas infecções poderiam ter sido evitadas se a guerra às drogas não tivesse contribuído para um ambiente hostil (política e socialmente) aos usuários de drogas injetáveis. Algumas regiões são mais afetadas do que outras: na Ásia oriental e central, 48% das novas infecções por HIV estão relacionadas ao uso de drogas injetáveis. Em artigo publicado no The Lancet HIV, Ed Holt explora o papel que o abrandamento das leis sobre as drogas na região poderia ter sobre o HIV. Em outro artigo, o autor destaca o trabalho do Positive Movement, uma organização bielorrussa, no fornecimento de defesa, apoio e tratamento para pessoas vivendo com HIV que injetam drogas na Bielorrússia.

As ferramentas para prevenir danos, incluindo a contração do HIV, em pessoas que injetam drogas são apoiadas por uma riqueza de evidências. A recusa em implementar estratégias baseadas em evidências não é apenas moralmente errada, mas também uma decisão economicamente ruim — nos EUA, cada dólar gasto em programas de serviços de seringas é estimado em uma economia de US$ 6,38–7,58. No entanto, o relatório O Estado Global da Redução de Danos 2020 da Harm Reduction Internacional pinta um quadro de agravamento da implementação de medidas de redução de danos. O número de países com programas de agulhas e seringas permanece estável, e o número de medicamentos para o transtorno por uso de opioides diminuiu.

Com a nova administração do presidente Joe Biden, há uma chance de uma nova abordagem para a guerra contra as drogas. No entanto, o histórico de Biden sobre essas questões não é encorajador e os sinais iniciais são confusos. As prioridades da política de controle de drogas para o primeiro ano do novo governo inclui de forma encorajadora a expansão do acesso ao tratamento baseado em evidências, aumentando os esforços de redução de danos e expandindo o acesso aos serviços de apoio à recuperação. No entanto, as políticas locais e também as federais terão que mudar. As notícias sobre a recente votação de autoridades governamentais em Scott County, Indiana, EUA, para encerrar o programa de troca de seringas, apesar do apoio da aplicação da lei, trabalhadores da saúde e membros da comunidade, são desanimadoras. Se o valor de um serviço, vital para ajudar a conter um surto de HIV em 2014-15 que levou a mais de 200 infecções por HIV, não for reconhecido, então a escala do problema é clara. Trabalho de Gregg Gonsalves e Forrest Crawford, publicado no The Lancet HIV em 2018, indicou que se a região tivesse serviços como a troca de seringas em 2011 o número de infecções por HIV teria sido reduzido para dez ou menos.

A guerra contra as drogas deve acabar. O editorial anterior do The Lancet HIV sobre o tema destacou Portugal como um exemplo que outros países devem seguir. A descriminalização do uso pessoal de drogas e a disponibilização de mais recursos para tratamento e redução de danos, bem como iniciativas mais amplas para reduzir a pobreza e melhorar o acesso aos cuidados de saúde, podem transformar a vida das pessoas afetadas. Essa transformação pode finalmente ser algo pelo qual vale a pena lutar.

Veja também:

Smoke Buddies indica: livros nacionais que analisam a guerra às drogas

#PraTodosVerem: ilustração que mostra os canos de três rifles, lado a lado, apontados para cima e, saindo de seu interior, um ramo de maconha, um de coca e um de papoula, com um fundo branco. Arte: INPUD.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!