Estudo revela as melhores e piores cidades dos EUA para férias de maconha

Fotografia mostra a face de uma pessoa em perfil, que expele a fumaça de um trago enquanto segura um baseado, e duas pessoas sentadas em um sofá, ao fundo. Imagem: Pavel Danilyuk | Pexels.

À medida que mais estados americanos legalizam o uso adulto da maconha, os viajantes têm mais opções quando se trata de planejar férias inspiradas na cannabis

Novos dados levantados pela Upgraded Points, líder do setor de informações de viagens, revelam as melhores e piores cidades dos EUA para férias de cannabis, ou “canna-cation”, incluindo as cidades mais e menos caras para explorar.

Os especialistas da marca de turismo analisaram 50 grandes cidades dos EUA onde o uso adulto de maconha é legal considerando 10 fatores diferentes de classificação, incluindo Airbnbs weed-friendly, passeios guiados de cannabis, experiências 420, dispensários e os custos médios de acomodações noturnas que aceitam maconha, de buds e restaurantes fast-food.

Leia mais: “Temos muitos desafios”, diz fundadora da ExpoCannabis Uruguay sobre a maconha no país

Três cidades do Colorado completaram a lista das 10 melhores para um turista de cannabis, com Denver liderando o caminho em primeiro lugar, seguida por Boulder (4º) e Colorado Springs (8º). Além disso, duas cidades da Califórnia pontuaram alto, com Oakland e San Jose chegando em 3º e 9º lugar, respectivamente. Nevada apareceu no ranking com Henderson (7º) e Las Vegas (10º). Portland, no Maine, foi a única cidade da costa leste a entrar no top 10, pegando o segundo lugar.

A lista das piores cidades para férias de maconha é liderada por Anchorage (Alasca), Phoenix (Arizona) e Fresno (Califórnia), os três piores destinos canábicos dos EUA, segundo o relatório.

O custo de férias com cannabis é visivelmente mais barato em estados do oeste como Colorado, Califórnia e Washington, onde o uso adulto de maconha foi legalizado de 2012 a 2016. “Nesses estados, economias de escala foram construídas na última década, reforçadas por um mercado de maconha em expansão que inclui dispensários, passeios na fazenda (farm tours) e lounges de cannabis”, disse Alex Miller, fundador da Upgraded Points. “A indústria suporta mais de 83.000 empregos somente na Califórnia.”

Leia também: Califórnia (EUA) financia US$ 20 milhões em pesquisa sobre cannabis

Enquanto isso, férias canábicas em estados do leste como Connecticut, Vermont e Massachusetts podem ser muito mais caras, pois “uma infraestrutura para uso, compra e produção de cannabis é muito menos estabelecida nessas áreas”, diz o relatório.

O relatório mostra que os destinos mais econômicos para férias com cannabis são Oakland, Califórnia, e Spokane, Washington, onde um turista pode desfrutar de quatro dias por US$ 1.068 e US$ 1.135, respectivamente. As férias em ambas as cidades são mais de 22% mais baratas do que o custo médio nacional de US$ 1.262 .

Como dito anteriormente, a melhor cidade para férias de maconha em geral é Denver, lar de 19 passeios guiados de cannabis de ônibus e 64 dispensários licenciados para cada 100.000 pessoas. Além disso, os viajantes podem ficar em uma acomodação weed-friendly por menos de US$ 176 por noite, em média — isso se compara a US$ 279 em Los Angeles ou US$ 270 em Reno, Nevada.

A maconha é mais cara no Distrito de Colúmbia, Virgínia, Illinois e Vermont. Em DC, uma onça (28 gramas) de cannabis de alta qualidade custa US$ 590,50 — quase o dobro do custo médio nacional de US$ 294,68.

Leia mais: Pacientes de cannabis agora podem se autocertificar sem médicos em Washington DC

Na costa oeste americana, os viajantes encontram os melhores preços de maconha. Em Oregon, Washington e Colorado, uma onça de cannabis de alta qualidade sai por menos de US$ 250, em média.

“O turismo de cannabis está florescendo. A indústria de cannabis dos EUA agora suporta mais de 428.000 empregos e deve ultrapassar US$ 72 bilhões em vendas até 2030”, escreveu Miller nas considerações finais do relatório. “Atualmente, a maconha recreativa é legal em 19 estados, Washington DC e Guam, e o turismo de maconha só crescerá à medida que mais estados estiverem prontos para legalizar as vendas recreativas de maconha no final deste ano.”

Uma pesquisa de 2020 da MMGY Travel Intelligence e Enlightn Strategies com 1.500 entrevistados interessados ​​em viagens com maconha encontrou interesses em uma variedade de atividades, desde visitar um dispensário até consumir vários produtos. As experiências adicionais mencionadas incluem tratamentos de spa com cannabis, jantares com infusão, festas em ônibus de maconha e passeios guiados.

A pesquisa previu que os interessados ​​em atividades de férias relacionadas à cannabis representavam 29% de todos os viajantes a lazer, com os estadunidenses representando 18% desse grupo.

O turismo de cannabis nos EUA é uma indústria de US$ 17 bilhões, de acordo com um relatório divulgado em maio deste ano.

Segundo a estimativa da Forbes, das vendas legais de maconha de US$ 25 bilhões em 2021, apenas US$ 4,5 bilhões vieram de turistas. Contudo, esses mesmos turistas também canalizaram US$ 12,6 bilhões para restaurantes, hotéis e outras atrações — ou seja, as empresas centradas na cannabis não são as únicas que se beneficiam do turismo canábico.

Leia também:

Opinião pública nos EUA diz que maconha é menos perigosa que o álcool

#PraTodosVerem: fotografia mostra a face de uma pessoa em perfil, que expele a fumaça de um trago enquanto segura um baseado, e duas pessoas sentadas em um sofá, ao fundo. Imagem: Pavel Danilyuk | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!