Estudo revela como o uso de maconha e álcool influencia na qualidade do sono de pessoas ansiosas

Fotografia mostra a mão tatuada de uma pessoa que, de trás da câmera, estende os dedos para pegar um baseado que lhe é passado, sobre uma mesa com toalha xadrez em tons de vermelho, onde se encontram um livreto de sedas e uma garrafa de cerveja. Foto: Healthline.

O uso frequente das substâncias não alterou os resultados de sono, contrastando as expectativas típicas sobre a tolerância

A maconha pode exercer efeitos positivos na qualidade do sono entre pessoas que pretendem usar a planta para lidar com a ansiedade. Isso é o que sugere um novo estudo publicado recentemente na revista Drug and Alcohol Review.

O estudo descobriu que os indivíduos com ansiedade experimentaram um sono melhor após o consumo de cannabis, em comparação com os dias em que usaram apenas álcool ou nada. A análise também revelou que o uso exclusivo de bebida alcoólica foi associado a uma menor qualidade do sono, quando comparado ao uso de maconha ou o couso das substâncias.

Para chegar a esses resultados, pesquisadores da Universidade de Haifa (Israel), da Universidade do Colorado e da Universidade Estadual do Colorado analisaram a variação diária da qualidade subjetiva do sono de 347 pessoas com sintomas de ansiedade após o uso isolado de cannabis ou álcool e após o uso concomitante.

A equipe queria entender como a maconha e o álcool (usados sozinhos ou em conjunto) se relacionam com a qualidade do sono autorrelatada em indivíduos que usam cannabis para aliviar a ansiedade.

Leia mais: Pessoas com depressão e ansiedade percebem melhora na insônia com uso de maconha

Os dados foram levantados a partir de pesquisas diárias enviadas por e-mail durante 30 dias aos participantes, que relataram a qualidade do sono na noite anterior e o consumo de substâncias — os questionários tinham a opção de “apenas cannabis”, “apenas álcool”, “couso” e “não uso”.

A forma de cannabis que utilizada durante o estudo foi escolhida pelos próprios participantes, sendo que 64,8% selecionaram flores e 35,2% escolheram comestíveis.

“Em comparação com o não uso, os participantes relataram um sono melhor após o consumo apenas de cannabis e após o couso, mas não após o uso apenas de álcool”, escreveram os autores.

O estudo também constatou que a qualidade do sono foi notavelmente melhor após dias de uso exclusivo de maconha em comparação com dias de uso concomitante das substâncias, confirmando descobertas anteriores sobre as propriedades da cannabis para melhorar o sono.

Leia mais: Consumo excessivo de álcool entre adolescentes diminui com legalização da maconha

“A utilização de dados naturalísticos pelo estudo entre indivíduos com sintomas de ansiedade replicou descobertas experimentais relatadas anteriormente entre indivíduos sem problemas de sono e ansiedade de que, em geral, a cannabis está associada a uma maior qualidade subjetiva do sono”, disseram os pesquisadores.

Outro achado do estudo foi uma relação entre a frequência do uso das substâncias e a qualidade do sono: tanto os participantes que usaram maconha com mais frequência quanto aqueles que consumiram álcool frequentemente relataram maior qualidade de sono após dias de uso exclusivo de cannabis, em comparação com as pessoas que consomem cannabis e álcool com menor frequência.

“Nenhum sinal de enfraquecimento dos efeitos do sono nos dias de uso de cannabis ocorreu em usuários frequentes de álcool ou cannabis. Na verdade, os resultados sugerem um padrão contrário: melhor qualidade de sono nos dias pós-consumo de cannabis (em comparação com os dias sem consumo) entre aqueles que consomem frequentemente cannabis”, apontaram os autores, observando que isso pode ser devido a doses mais altas usadas por usuários frequentes

Os resultados também contrastam a hipótese de que o uso frequente poderia resultar em tolerância e, consequentemente, uma diminuição dos efeitos da cannabis na qualidade do sono.

Leia mais: Pacientes com TEPT apresentam melhora dos sintomas após tratamento com maconha

A análise dos dados mostrou ainda que não houve problemas relacionados à abstinência, uma vez que os participantes que usam maconha com maior ou menor frequência não experimentaram problemas de sono após dias sem uso de cannabis.

Os pesquisadores apontaram algumas limitações do estudo, como a falta de compreensão sobre o uso de várias combinações, dosagens e concentrações de canabinoides e a avaliação de apenas um resultado subjetivo do sono (sem levar em conta a duração e outros fatores).

“Há uma necessidade urgente de estudos experimentais que investiguem os efeitos da cannabis e do álcool no sono. Nosso estudo sugere que a cannabis pode exercer efeitos positivos na qualidade subjetiva do sono entre indivíduos que pretendem usar cannabis para lidar com a ansiedade”, escreveram os autores, ressaltando que mais pesquisas são necessárias investigar a influência da frequência de uso na associação entre o consumo de substâncias e o sono.

Um estudo separado, publicado recentemente no Exploration of Medicine, descobriu que a maioria das pessoas que relataram usar maconha para ter uma melhor noite de sono parou de usar medicamentos para dormir após o uso da cannabis, relatando melhores resultados na manhã seguinte.

As descobertas somam-se a várias outras que também apontam para os benefícios da maconha na melhora do sono. Uma pesquisa conduzida por pesquisadores da Universidade de Sydney, por exemplo, viu a maioria dos participantes reconhecendo o uso de cannabis para mitigar os sintomas da insônia e que a planta melhorou muito a qualidade do sono — a maioria dos entrevistados também relatou ter diminuído o consumo de benzodiazepínicos e álcool após o uso da maconha.

Veja também:

A maconha é tão eficaz quanto os opioides no tratamento da neuropatia, sugere estudo

Foto de capa: Healthline.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!