Ensaio clínico mostra benefícios da cannabis para crianças com autismo

top bud acucarado Ensaio clínico mostra benefícios da cannabis para crianças com autismo

Estudo realizado por pesquisadores israelenses revelou efeitos promissores do extrato de maconha de planta inteira em crianças com transtorno do espectro autista. As informações são da High Times

Um novo ensaio clínico ofereceu sinais encorajadores para o uso de extratos de cannabis em crianças com autismo.

O ensaio clínico, cujos resultados foram publicados neste mês na revista Molecular Autism, buscou avaliar os efeitos do “extrato de cannabis de planta inteira” contendo CBD e THC na proporção de 20:1 e um placebo em um grupo de jovens crianças com autismo.

Por 12 semanas, os 150 participantes receberam o extrato ou o placebo, que foi então “seguido por um washout [suspensão] de 4 semanas e crossover predeterminado por mais 12 semanas para avaliar a tolerabilidade”.

Em suas conclusões, as equipes de pesquisadores israelenses disseram que “demonstraram pela primeira vez em um ensaio controlado com placebo que o tratamento com canabinoide tem o potencial de diminuir comportamentos perturbadores associados [ao transtorno do espectro autista], com tolerabilidade aceitável”, conforme citado pela NORML.

Leia mais: Tratamento com cannabis medicinal melhora a qualidade de vida de crianças autistas

“Isso é especialmente importante para muitos indivíduos com [transtorno do espectro autista] que estão acima do peso, já que o tratamento com canabinoides foi associado à perda de peso líquida, em contraste com o ganho de peso substancial normalmente produzido pelos antipsicóticos. (…) Esses dados sugerem que os canabinoides devem ser mais investigados [no transtorno do espectro autista]”, disseram eles.

“O comportamento disruptivo na CGI-I [escala de impressão clínica global de melhoria] foi muito ou muitíssimo melhorado em 49 por cento [dos indivíduos que tomaram] extrato de planta inteira versus 21 por cento no placebo”, acrescentaram, conforme citado pela NORML. “A pontuação total da SRS [Escala de Responsividade Social] mediana (resultado secundário) melhorou em 14,9 [pontos] no extrato de planta inteira versus 3,6 pontos após o placebo”.

Cannabis e autismo

O tratamento com cannabis ou CBD em indivíduos com autismo continua a ser objeto de pesquisas científicas em andamento — e fonte de intenso debate.

Em 2019, o Dr. Eric Hollander, diretor do Programa de Autismo e Espectro Obsessivo Compulsivo e Programa de Ansiedade e Depressão do Hospital Montefiore, no Bronx (Nova York), anunciou um novo ensaio clínico que examinaria os efeitos de um composto da cannabis em pacientes com autismo.

Leia: Justiça de Minas autoriza plantio de maconha para tratamento de criança com epilepsia e autismo

“Em alguns dos modelos animais semelhantes ao autismo, foi descoberto que o CBDV teve efeitos importantes no funcionamento social, na redução das convulsões, no aumento da função cognitiva e na redução do comportamento compulsivo ou repetitivo”, disse Hollander na época. “Então, por esse motivo, queríamos aplicar isso ao autismo”.

O ensaio foi classificado como “o primeiro grande estudo clínico nos Estados Unidos para testar a eficácia da maconha medicinal em certos comportamentos em crianças com transtorno do espectro autista”.

Em estados americanos onde a cannabis medicinal foi legalizada para tratamento, os legisladores têm debatido se devem ou não adicionar o autismo à lista de condições de qualificação. No ano passado, em Ohio, por exemplo, um conselho regulador estadual votou pela rejeição da adição de autismo como condição de qualificação.

O conselho ouviu vários comentários públicos a favor e contra a ideia. Um grupo de profissionais de saúde infantil em Ohio se opôs fortemente ao tratamento para pacientes com autismo.

“A inclusão do autismo e da ansiedade como condições tem o potencial de impactar negativamente a saúde e o bem-estar de milhares de crianças em Ohio”, disse Sarah Kincaid, da Ohio Children’s Hospital Association. “Há poucas evidências rigorosas de que a maconha ou seus derivados sejam benéficos para pacientes com autismo e ansiedade, mas há uma associação substancial entre o uso de cannabis e o início ou agravamento de várias condições psiquiátricas”.

Leia também:

Cannabis pode reduzir a pressão arterial em idosos, mostra estudo

#PraCegoVer: fotografia de um top bud com folhas cobertas de tricomas, como se estivessem açucaradas (sugar leaves), e pistilos de cor laranja concentrados no topo, em fundo desfocado de vegetação. Imagem: Gio Bartlett | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!