Empresas de CBD avançam em processo de revisão de segurança alimentar na Europa

Milhares de empresas de CBD esperam ter seus produtos validados junto a autoridades do Reino Unido e da Europa nas próximas semanas

Isso por que dois dos principais consórcios de novos alimentos (novel foods) enviaram suas solicitações de validação para produtos de canabidiol (CBD) nas duas últimas semanas, informou a Business Cann.

A Associação para a Indústria de Canabinoides (ACI) — que representa 33% dos candidatos — disse em um comunicado à imprensa que submeteu um pacote de novas solicitações, juntamente com estudos de toxicologia, à Agência de Padrões de Alimentos (FSA) do Reino Unido.

Leia também: Relatório prevê que mercado de óleo de CBD deve crescer para US$ 136,64 bi em 2029

Da mesma forma, a Associação Europeia de Cânhamo Industrial (EIHA), que representa cerca de 170 empresas, também com milhares de produtos, apresentou pedidos de validação para seu CBD isolado e CBD sintético à FSA e à Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) no início do mês.

Em uma carta aos membros, a EIHA também disse que propôs à EFSA um nível máximo de ingestão diária aceitável (IDA) de 17,5 mg de canabidiol (CBD) após a análise de seus estudos toxicológicos mostrar efeitos em quatro órgãos.

Isso está bem abaixo dos níveis atuais recomendados pela FSA, de 70 mg por dia.

“O NOAEL (nível de efeito adverso não observado) derivado é menor do que esperávamos inicialmente e do que estava na literatura existente”, de acordo com o memorando.

Leia mais: Conheça as propriedades terapêuticas de três cepas de maconha ricas em CBD

Lorenza Romanese, diretora administrativa da EIHA, disse à Business Cann que espera que os resultados dos estudos de toxicologia com seu CBD de espectro total — a serem apresentados no início do próximo ano — recomendem uma IDA mais alta devido à sua “formulação menos concentrada” e “resultados preliminares promissores”.

A EIHA também adverte em seu memorando que as formulações devem conter um teor máximo de CBD de 10% e requisitos adicionais de rotulagem serão necessários, incluindo que não é recomendado o uso por crianças e mulheres grávidas e lactantes e que não deve ser consumido junto com qualquer outro produto alimentício de cânhamo.

Em junho, a FSA atualizou sua lista pública de produtos de CBD que podem ser comercializados na Inglaterra e no País de Gales, que apresenta mais de 12.000 produtos alimentícios de canabidiol.

O Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a regular o mercado de produtos de maconha não psicotrópicos com a publicação da lista de produtos de CBD autorizados em março.

Veja também:

Óleo de maconha rico em canabidiol reduz ansiedade e melhora cognição, diz estudo

#PraTodosVerem: foto, em vista superior, mostra a mão de uma pessoa cheia de pastilhas de goma verdes, e um pote redondo contendo as mesmas pastilhas, no segundo plano, sobre uma superfície branca. Imagem: Pexels / Nora Topicals.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!