Empresa liderada por mulheres lança chocolate de maconha e cogumelos com lucros beneficiando agricultores negros em Illinois (EUA)

Foto mostra uma folha de maconha sobre duas barras de chocolate. Imagem: Vecteezy | Bigc Studio.

Colaborando com uma rede de entidades BIPOC, a empresa busca criar a maior marca proposital e orientada para a equidade social no espaço da cannabis

Os primeiros chocolates infundidos com maconha no estado americano de Illinois a incorporar cogumelos adaptogênicos como reishi e juba de leão foram lançados por uma empresa de propriedade de negros e liderada por mulheres.

De acordo com o Chicago Reader, o diretor executivo da Grow Greater Englewood, Anton Seals Jr., se juntou à empresária e graduada em direito pela Harvard JT Stinnette, Jamaal Kendrick, Chris “Dough” Fryison e outros parceiros para criar a OURS (Organic Urban Revitalization Solutions) em 2019. O grupo é uma das empresas por trás da marca Community.

A ideia era criar uma empresa de cannabis verticalmente integrada e focada no bem-estar, “impulsionada pela necessidade de abordar o impacto desproporcional que a guerra às drogas teve nas comunidades negras e pardas, promovendo a propriedade e o emprego na indústria emergente”, segundo o jornal.

Leia também: Venda de maconha financia programa de prevenção da violência em Nova Jersey

O grupo, cuja missão gira em torno de definir e liderar o padrão de equidade no mercado de cannabis, foi fundado ao mesmo tempo que Illinois promulgou a legalização do uso adulto da maconha com a assinatura do projeto de lei, em junho de 2019, pelo governador JB Pritzker.

“Estávamos nos alinhando para atender às necessidades de equidade social, mas também optando por formar parcerias com as melhores pessoas”, disse Tanya Ward, diretora de marketing da OURS. “Vemos isto como uma oportunidade de criar riqueza geracional, porque para as pessoas com a nossa pele que crescem neste país isso não é garantido”.

Segundo Tanya, sua família foi dizimada pelas drogas que foram levadas para a sua comunidade e pela subsequente “guerra às drogas”. “Foi um esforço para fazer por nós mesmos, mas também para homenagear as pessoas que vieram antes de nós. No caso da família de JT, eles foram pioneiros no espaço da cannabis medicinal”, explicou a diretora.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por OURS (@thatsours)

A organização solicitou licenças comerciais de cannabis que incluíam dispensário, produtora artesanal, infusora e transportadora. O plano era abrir primeiro um dispensário, considerado o principal negócio do mercado de maconha, mas a empresa recebeu alvarás apenas para infusão e transporte.

Diante os obstáculos apresentados pelas restrições associadas às duas licenças (sem demanda pelo serviço de transporte e o alto investimento necessário para a fabricação de produtos infundidos), a diretoria da OURS passou dois anos trabalhando em divulgação e tentando ajudar novos requerentes de equidade social a começarem seu negócio através de uma parceria com a Liga Urbana de Chicago.

Ward disse ao Chicago Reader que, antes de iniciarem a venda de seus produtos, tiveram que pensar: “OK, e as pessoas que ainda estão encarceradas? Como podemos abrir oportunidades para que as pessoas trabalhem na indústria, mas não tenham necessariamente que tocar na planta?”. Ela explicou que trabalhar com equidade e justiça acabou sendo uma grande marca para a empresa.

Leia mais: Projeto social nos EUA ajuda a libertar presos por maconha

A OURS foi uma das primeiras marcas de cannabis de propriedade de negros a entregar um produto ao mercado, mas não o fizeram sozinhos.

“Antes de investirem em você, os investidores querem ver o que você pode fazer, querem ver uma prova do retorno de seu investimento”, disse Ward ao jornal. “Não tínhamos feito nada em termos de varejo ou de criação de um produto incrível. Tínhamos que chegar ao mercado com algo que fosse maravilhoso, acessível e delicioso e que funcionasse de todas as maneiras que dissemos que funcionaria.”

Em 2021, a OURS uniu forças com a Nature’s Grace and Wellness, uma cultivadora de maconha administrada pela O’Hern Stock Farms, para levar o chocolate da Community ao mercado.

Seus primeiros produtos foram uma barra de chocolate amargo com infusão de cogumelo juba de leão, baunilha e THC junto com os canabinoides canabinol (CBN) e canabigerol (CBG), e um chocolate ao leite infundido com reishi, limão, THC e os canabinoides canabidiol (CBD) e CBG.

Os chocolates Community estão em mais de 90 dispensários em todo o estado de Illinois. Uma parte das vendas vai para organizações que apoiam agricultores negros e rurais de Illinois, como Grow Greater Englewood, HEAL Food Alliance, Chicago Food Policy Action Council e Farm Aid.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por OURS (@thatsours)

O programa de equidade social de cannabis para uso adulto de Illinois prevê que as empresas podem receber mais consideração pelo licenciamento se 51% da propriedade for composta por pessoas que foram afetadas desproporcionalmente pela “guerra às drogas”.

Uma das medidas de equidade é o programa de bolsas de estudos financiado pelas receitas fiscais da maconha. A iniciativa destina-se a garantir que as comunidades que sofreram com a “guerra às drogas” tenham uma parte justa das oportunidades econômicas geradas pela legalização da maconha.

Leia também:

Califórnia (EUA) fornece US$ 30 milhões a programas de equidade social de maconha

Fotografia de capa: Vecteezy | Bigc Studio.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!