Doutora responde: a herpes-zóster pode ser tratada com cannabis?

Fotografia, em visão aérea, mostra um recipiente redondo cheio de cápsulas oleosas, dois frascos transparentes com líquido esverdeado e fechados com rolha, dois frascos âmbar com tampa preta e folhas e sementes de cannabis sobre uma superfície amarelo-clara e lisa. Natural medicine photo created by freepik - www.freepik.com

Em sua coluna semanal, a Dra. Amanda Medeiros responde às principais dúvidas de leitores da Smoke Buddies sobre cannabis e saúde

Como trabalha o CB2? A herpes-zóster pode ser tratada com cannabis? É possível aliar a cannabis a outras flores, como a camomila, para potencializar efeitos? Confira, a seguir, as respostas da doutora Amanda Medeiros, médica prescritora com certificação internacional em medicina canabinoide e experiência prática em clínica geral integrativa.

Leia tambémO delta-8-THC pode ser usado no tratamento de quais doenças?

Herpes-zóster pode ser tratada com cannabis?

O canabidiol (CBD) pode, sim, ser benéfico em infecções virais, como herpes oral e genital, vírus respiratórios comuns, herpes-zóster, hepatite C, HIV/AIDS, e, como sugerem estudos científicos, até mesmo Covid. Outro fitocanabonoide, chamado canabicromeno (CBC), também está sendo estudado por suas ações antifúngica e bactericida. E, como sabemos, a modulação do sistema endocanabinoide pode ajudar a regular o sistema imunológico e, dessa forma, ajudar em diversas patologias.

Como trabalha o CB2?

O CB2 é um dos dois receptores endocanabinoides que temos no organismo, que atua majoritariamente em tecidos periféricos, embora estudos apontem sua expressão, em menor grau que o CB1, também no sistema nervoso central, além de gastrointestinal e imunológico. Desta forma, suas funções contemplam não apenas o uso mais comum, através dos dermocosméticos, como os potenciais terapêuticos que ainda devem ser explorados pela ciência.

É possível aliar a cannabis a outras flores, como a camomila, para potencializar efeitos?

Sim! É comum avaliarmos o uso de outros terpenos para potencializar os efeitos de tratamentos com canabinoides. Sabemos que o perfil aromático da camomila é muito potente, assim como o da lavanda, então é interessante associar cannabis e aromaterapia pelo efeito Comitiva, que é a atuação em sinergia entre compostos no organismo. Os chás também são uma forma de fazer isso — marcas estrangeiras, inclusive, já apostam nesse blend de compostos aromáticos com CBD.

Leia também:

Doutora responde: o uso de cannabis melhora ou piora os sintomas do TDAH?

#PraTodosVerem: fotografia, em visão aérea, mostra um recipiente redondo cheio de cápsulas oleosas, dois frascos transparentes com líquido esverdeado e fechados com rolha, dois frascos âmbar com tampa preta e folhas e sementes de cannabis sobre uma superfície amarelo-clara e lisa. Photo created by freepik – www.freepik.com.

mm

Sobre Dra Amanda Medeiros Dias

Médica, pós graduada em pediatria e nutrologia pediátrica, cursando psiquiatria infantil pelo CBI of Miami e com certificação internacional em medicina endocanabinoide pela Green Flower, na Califórnia (EUA). Tem experiência na prática em clínica geral integrativa com crianças e adultos, com visão holística, olhando o paciente como um todo. Além de prescritora, é paciente de cannabis medicinal desde 2018. Diretora técnica no Instituto Coração Valente, médica da Clínica Gravital e voluntária em projetos da UNA (Unidos pela Amazônia). CRM - 39.234 PR
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!