Death Note: o anime que mexeu com os ânimos de lulistas e bolsonaristas em um meme canábico

L de Death Note. Imagem: Dyuu.

Mesmo sem qualquer menção a política ou partido, meme em homenagem a um personagem da obra causou burburinhos entre apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro e eleitores de Lula

Tendo se tornado um dos meios de difusão da cultura da cannabis, os memes são uma forma de levar humor ao público canábico através de peças de conteúdo compostas por imagens, textos e/ou vídeos.

Embora também sirvam como ferramentas para abordar questões políticas e reflexões críticas sobre o proibicionismo, os memes canábicos muitas vezes são utilizados unicamente com o objetivo da comédia sem camadas de leitura adicionais.

Um meme canábico meramente cômico, no entanto, poderá ter outro impacto dependendo de como o internauta o percebe e o usa — afinal, como já bem disse José Saramago, “os olhos veem o que querem” (Ensaio sobre a Cegueira).

Isso pode ser visto em um curioso caso, onde um meme canábico que faz alusão a um mangá/anime e um de seus personagens principais gerou uma enxurrada de comentários de lulistas e bolsonaristas, que atribuíram um caráter político ao post.

O meme em questão foi publicado recentemente na conta da Smoke Buddies no Instagram. A peça traz um texto cômico sobre o que fazer quando seu amigo pegar seu dinheiro para ir comprar maconha e publicar um story onde aparece fumando a erva sozinho, sugerindo que o interlocutor faça o L.

A sugestão do meme, contudo, não se refere à letra inicial de nenhum nome ou palavra, como “legalize” ou “liamba”, mas sim ao nome do personagem que aparece ilustrado ao lado do texto: o L, principal antagonista da franquia Death Note.

O thriller policial sobrenatural que conquistou o mundo

Uma das séries de anime mais aclamadas de todos os tempos, Death Note é uma adaptação do mangá de mesmo nome escrito por Tsugumi Ohba e ilustrado por Takeshi Obata, publicado entre 2003 e 2006 na revista japonesa Weekly Shōnen Jump. A obra compilada em 12 volumes tankoubon foi um sucesso mundial, tendo sido vendidas cerca de 30 milhões de cópias até o ano 2015.

O sucesso do mangá levou a uma franquia inteira. A estória foi adaptada em uma série de anime produzida pela Madhouse e dirigida por Tetsurō Araki, composta de 37 episódios. A série foi exibida no Japão de outubro de 2006 até junho de 2007 pela Nippon Television. Já no Brasil, o anime foi exibido pela primeira vez em 2009 pelo canal Animax, sendo reexibido em 2014 pela PlayTV e em 2022 pelo Warner Channel, além de estar nos catálogos da Crunchyroll, Netflix, Funimation e HBO Max.

A série também é exibida 24 horas por dia em um canal exclusivo da plataforma de streaming gratuita Pluto TV em versão dublada, e várias plataformas pagas contam com o anime em sua lista. O êxito da franquia foi confirmado por suas inúmeras adaptações e expansão para vários meios: OVAs, filmes live-action, light novels, dorama, musical em diversas línguas e até jogos eletrônicos.

Death Note definitivamente extrapolou a bolha dos fandoms de animes e se tornou um clássico da cultura pop mundial. A obra continua fazendo sucesso após mais de 15 anos desde sua primeira exibição.

Leia também: Smoke Buddies indica: dez filmes chapados (e sangrentos) para assistir na Netflix

Death Note furou a bolha dos fãs de anime. Imagem: Madhouse.

O plot de Death Note gira em torno de Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno místico que lhe concede o poder de matar qualquer pessoa cujo nome ele escreva nele. Light decide usar o “caderno da morte” para livrar o mundo dos criminosos e criar uma utopia onde ele reinaria como um deus do novo mundo. À medida que o protagonista ganha notoriedade como o misterioso assassino, as autoridades iniciam uma investigação para encontrá-lo e isso leva à introdução de L, um dos maiores detetives do mundo, encarregado de capturar Light.

Nesse ponto da trama, Death Note passa a girar em torno de uma batalha intelectual entre Light e L. À medida que os dois se envolvem num perigoso jogo de caça e caçador, outros personagens são apresentados. O enredo é cheio de reviravoltas e prende a atenção do espectador com diálogos marcantes e um suspense intenso. DN é uma série complexa que desafia as percepções do público sobre justiça e ética.

O thriller policial sobrenatural apresentou dois dos nomes mais inteligentes de todo o universo de animes e mangás, e a genialidade e peculiaridade dos personagens acabou dividindo os fãs de Death Note entre “time L” e “time Kira” — codinome  adotado por Light. A discussão sobre qual justiça é a certa e quem é o verdadeiro protagonista da série toma conta dos debates nos fóruns especializados e comunidades de redes sociais.

Demonização da arte

Assim como a maconha, Death Note também já foi perseguido e demonizado.

Em 2021, o programa Domingo Espetacular da Record fez uma matéria sensacionalista acusando o anime de expor crianças e adolescentes à violência, mesmo a obra tendo classificação etária de 18 anos no Brasil — a trama é repleta de cenas de morte e sua produção é voltada para o público adulto.

Os temas maduros presentes no enredo levaram à proibição de Death Note na Rússia e na China — vários outros animes foram proibidos nesses países sob a alegação de que os conteúdos violentos influenciariam negativamente os jovens. A censura chinesa persegue ainda todo material audiovisual que contenha elementos sobrenaturais, como os cadernos e deuses da morte presentes na obra japonesa.

A política proibicionista nunca foi eficaz em conter o uso de qualquer coisa e, logicamente, os russos e chineses encontraram maneiras de continuar consumindo as maravilhas da nona arte, como Attack on Titan, My Hero Academia e o próprio Death Note.

Leia mais: Japão legaliza medicamentos de cannabis e endurece proibição do uso adulto

Após mais de 15 anos da primeira exibição, Death Note continua fazendo sucesso. Imagem: Pxfuel.

Maconha e anime

Os memes canábicos contendo elementos de animes são bastante comuns, mas as referências entre as culturas vão muito além do conteúdo de humor.

A produtora de cannabis Svin Gardens, localizada em Washington (EUA), por exemplo, desenvolveu uma variedade de maconha em homenagem ao One Piece. O bud é vendido em um pote de vidro decorado com o logo e identidade visual do anime.

Embora a cultura do Japão ainda seja um pouco duvidosa em relação à cannabis, visto a política de tolerância zero do país e a estigmatização contra os usuários da planta, existem animes com personagens ou episódios relacionados à maconha.

O segundo episódio de Ilusão Celestial (Heavenly Delusion), adaptação em anime de Tengoku Daimakyo, mostra uma plantação de cannabis. A maconha aparece de forma implícita, mas vários indícios são dados, como plantas penduradas para secar, o nome da fazenda (Paraíso dos Tomates, uma gíria para a erva), o enquadramento em um cigarro artesanal sendo tragado e vários outros.

Cena de Heavenly Delusion. Imagem: Production I.G.

No episódio nove de Samurai Champloo, Mugen é capturado pelos sacerdotes-guerreiros durante uma missão, o que o leva a colocar fogo em sacos de maconha no galpão para escapar da prisão. Durante a fuga, o samurai inala a névoa emitida pela erva em chamas, causando uma cena de luta psicodélica.

A cannabis também é referenciada em Detroit Metal City, Eureka Seven, One Piece, Shaman King, Black Lagoon e entre vários outros.

Maconha e anime tem tudo a ver e quem é entusiasta de ambos sabe que a combinação é perfeita.

Para você que ainda não assistiu Death Note, deixo minha recomendação de uma das melhores séries de suspense já produzidas. (Mas, já aviso, a obra é conhecida por ser a porta de entrada para os animes.)

E você que é fã de Death Note, você faz o L ou é team Kira? Comente abaixo nos comentários.

Veja também:

Documentário em quadrinhos retrata a proibição da maconha no Brasil

Imagem de capa: Dyuu.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!