Cultivando tricomas

Imagem mostra close de dois tricomas, centralizados em um círculo, e a superfície tricomada de uma parte da planta de maconha, ao fundo.

Muitos detalhes na jornada de produzir uma extração sem solvente podem influenciar no seu resultado final, mas, sem dúvidas, o principal é a qualidade do seu material inicial, ou seja, da planta que vai ser usada na extração. Pensando nisso, separamos algumas dicas de cultivo que vão te ajudar a ter um melhor rendimento e qualidade na sua extração. Veja abaixo no texto de Jorge Mendes e Felipe del Valle

Quando cultivamos pensando na extração, devemos levar em conta que estamos cultivando os tricomas. Ou seja, fazer o máximo para que eles se desenvolvam bem, de forma saudável e na maior quantidade possível. Isso pode ser através de escolha de genéticas, podas, treinos, técnicas com luzes específicas, cuidados na colheita e manuseio da planta. Existem muitas formas de treinar a sua planta, técnicas com detalhes, e não vamos focar aqui em passar exatamente todas que existem passo a passo, e sim apontar as que vemos que fazem mais diferença no momento de cultivar pensando nos tricomas!

Leia também: O que você precisa saber sobre os terpenos nas extrações sem solvente

Genética 

A genética é o primeiro fator que deve ser considerado. É muito importante conhecer a genética que você está cultivando. Isso pode acontecer por indicação de alguém que já cultivou essa variedade ou pela informação dada pelo banco de sementes. Se é uma planta que resina bem, extrai bem e já foi testada, ótimo! Você pode seguir com a certeza que estará fazendo seu tempo e material valer ao fazer a extração.

Caso contrário, o ideal é selecionar a planta. Primeiro, procurar genéticas que são conhecidas por serem boas para extrair, hoje muitos bancos já disponibilizam esse tipo de informação para o consumidor. E em segundo lugar, selecionar. Mesmo que você receba 3 ou 5 sementes de uma mesma genética, é muito possível que haja variações nessas plantas. Então, é importante que você tenha o tempo e paciência para achar a melhor. E lembre-se, clones são a melhor opção para manter uma genética de forma prática e caseira.

Seleção de genéticas no Uruguai. Foto: GrowKnowHow / Rico Tolomelli.

Podas TOP|FIM

Essas técnicas têm o mesmo objetivo, ramificar mais a sua planta. A poda topping (ou poda apical) consiste em cortar a ponta principal do galho, aquele “gominho” novo de folhas que está começando a nascer na ponta do galho. Dessa forma, nascem dois galhos daquele nó do galho principal dividindo ele em dois. Na poda FIM, a ideia é cortar bem no centro desse novo “gominho” de folhas, isso resultará numa ramificação ainda maior, de 3 ou 4 pontas, normalmente.

As duas técnicas podem ser feitas a partir do momento em que a planta já tem mais de 3 nós de altura. E também podem ser feitas em vários galhos da planta, fazendo com que uma planta que teria um top bud ou um galho principal acima de todos tenha vários galhos principais, ou top buds. Isso é muito bom pensando na extração pois, sem dúvidas, traz a possibilidade de mais flores na planta como um todo, considerando que ela tem muito mais ramificações, galhos, para produzir as flores. 

Ramificação do galho em dois, resultado de uma poda topping. Foto: Overgrow.

Scrog

SCROG significa screen of green, em português, “tela de verde”. Na prática, é deixar a planta crescer embaixo de uma tela, preenchendo todo o espaço da tela de forma uniforme. O ideal é combinar essa técnica com as podas citadas acima para a ramificação da planta ajudar no preenchimento da tela. Essa técnica é muito importante quando estamos pensando nos tricomas, pois ela possibilita que a maioria das flores fiquem numa mesma altura e consequentemente, na mesma distância em relação à luz. Isso faz com que uma maior quantidade de flores se desenvolvam bem pensando na quantidade de luz que estão recebendo.

Dessa forma, a planta terá mais tricomas que se desenvolveram melhor. Outra técnica que é muito comum ser combinada com o SCROG é o Lollipopping, que seria podar tudo que está no terço inferior da planta. Aqui no Brasil, usa-se a expressão “limpar a canela”. Isso ajuda a direcionar os nutrientes e açúcares para os ramos principais que estão na altura da tela e evita que a planta gaste sua energia produzindo flores nos ramos que estão abaixo da tela, que já não se desenvolveriam tanto por estarem recebendo menos luz. Fora maior rendimento, outros benefícios do SCROG são: mais ramos, mais fortes, controle de altura da planta e melhor circulação de ar.

Planta no SGROG vista de cima. Foto: Overgrow.

Planta no SGROG vista de baixo. Foto: Overgrow.

Luz ultravioleta (UV)

O espectro ultravioleta (UV) nem sempre está presente nas iluminações utilizadas para cultivo indoor. É claro que hoje em dia existem LEDs supercompletos que vão entregar do ultravioleta ao infravermelho (far red), mas o uso desse espectro normalmente é feito como complementação. 

A faixa do espectro ultravioleta que mais importa quando falamos de aumentar a produção de tricomas na planta (e consequentemente canabinoides e terpenos) é o UVB. É utilizado de forma moderada, em média por apenas 15 minutos, com intervalos de pelo menos 2 horas. O que acontece é que o UVB é uma radiação nociva e causa danos apenas nos tecidos externos da planta, a epiderme, estimulando a produção de tricomas, que agem como filtros solares naturais. Sim, a planta produz mais tricomas para se proteger, e isso pode levar a um aumento considerável na produção de tricomas, por isso a técnica vem sendo cada vez mais usada por cultivadores em todo o mundo.

Vamos falar sobre essa técnica mais a fundo com um dos sócios da Master Plants numa próxima matéria. Fica de olho na coluna Overgrow na Smoke Buddies pra não perder esse conteúdo que está fino. Você pode entender melhor também na live que fizemos com a Master Plants no canal Melt labs, clicando aqui.

Refletor UVB. Foto: Master Plants.

Manuseio e colheita

Ao pensar na colheita, a primeira coisa que deve ser considerada é o momento de colher. E se o objetivo é extração sem solvente, a maturação dos tricomas pode ser um dos principais fatores a se levar em consideração. Veja a matéria “Como a maturação dos tricomas influencia nas extrações sem solvente?” clicando aqui para entender mais a fundo sobre a maturação dos tricomas e a diferença que isso pode trazer para o seu resultado. 

Outro ponto importante, mas que muitas vezes é subestimado pelos cultivadores, é a delicadeza com as plantas. Como sabemos, a cannabis é coberta de tricomas que, quando maduros, se soltam com mais facilidade da planta. Ou seja, qualquer movimento mais brusco, uma “apertada” nas flores, pode danificar os tricomas e gerar perda, mesmo que mínima. Porém, pensando em vários momentos em que a planta é manuseada, como a colheita, a preparação para secagem, a movimentação entre ambientes, a trimagem e a armazenagem, podemos pensar que a soma da falta de cuidado em cada etapa pode trazer uma perda maior.

Não podemos deixar de falar do trim, momento em que todos os galhos são manuseados. A dica aqui é sempre segurar as flores pelos galhos, evitando ao máximo o toque nos tricomas das flores.

Mesmo que você esteja planejando fazer uma extração apenas com as “sobras” da colheita, cuide bem do seu material, armazene de forma adequada, da mesma forma que faria com as flores mesmo. Selecione um trim com tricomas, resinado, tenha esse cuidado de selecionar e separar bem seu material da extração. Não é por que são “sobras” que não podem ser de qualidade e trazer uma extração boa.

Bag de trim com resina separada no fundo pelo excesso de manuseio. Foto: Overgrow.

A Overgrow é a primeira empresa brasileira de produtos para extração sem solvente. Quer conhecer mais sobre esse assunto? Baixe agora mesmo o e-book sobre extrações sem solvente da Overgrow clicando aqui.

Leia também:

Cinco dicas cruciais para não errar na extração do Ice

#PraTodosVerem: imagem de capa mostra close de dois tricomas, centralizados em um círculo, e a superfície tricomada de uma parte da planta de maconha, ao fundo.

mm

Sobre OverGrow

Criada em 2018, pelos sócios Felipe Del Valle e Jorge Mendes, a OverGrow Shop é uma empresa brasileira especializada em equipamentos e acessórios para extrações sem solvente, purificação e filtragem. Após muita pesquisa no segmento, a OverGrow nasce no mercado brasileiro com produtos de alta qualidade proporcionando uma experiência segura e eficiente em todos processos de extrações naturais. Seja a seco ou úmido, em alta ou baixa temperatura, por filtragem ou em alta pressão. Trabalhamos para trazer as melhores soluções para a produção de concentrados e óleos essenciais de flores ou ervas terapêuticas e medicinais. Aproveite o que a natureza tem de melhor para te oferecer. https://overgrow.shop/
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!