Crise do coronavírus retira legalização da maconha do orçamento de Nova York (EUA)

Fotografia de um cultivo de maconha com foco em uma inflorescência que está no primeiro plano e ao centro; as plantas de cannabis preenchem quase toda a foto, podendo-se ver, além delas, apenas parte de uma parede vermelha, ao fundo. Imagem: Mateo Avila Chinchilla | Unsplash.

Nova York sofreu o impacto do Covid-19 com mais força do que qualquer outro estado, o que refletiu significativamente em suas prioridades. Com informações do Democrat and Chronicle e tradução Smoke Buddies

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse na terça-feira que é improvável que o estado autorize a maconha para uso adulto como parte de seu processo orçamentário, dando um duro golpe em defensores que passaram anos pressionando pela legalização total da droga.

Cuomo, democrata, havia proposto legalizar a maconha recreativa como parte de sua proposta inicial de orçamento estadual de US$ 178 bilhões em janeiro.

Mas com um prazo orçamentário importante chegando e a crise do coronavírus complicando as negociações com o Legislativo, Cuomo disse que a legalização provavelmente não fará parte do plano final de gastos.

O ano fiscal de Nova York começou nesta quarta-feira, o que significa que Cuomo e os legisladores teriam que fechar um acordo na terça-feira (31) e concluir a votação para que o orçamento fosse estipulado no prazo.

“Não é provável”, disse Cuomo quando perguntado na terça-feira se a legalização da maconha estaria no orçamento final. “Muito, muito pouco tempo”.

Não ficou claro na terça-feira à tarde se Cuomo e os legisladores conseguiriam cumprir o prazo orçamentário.

Leia mais: Surto de coronavírus pode atrasar legalização da maconha nos EUA

Coronavírus atinge orçamento de NY com força

Nova York foi atingido com mais força do que qualquer outro estado pelo surto de coronavírus, que teve um impacto significativo nas finanças do estado.

O escritório de Cuomo estimou que a crise poderia fazer com que o Estado perdesse pelo menos US$ 10 bilhões em receita, o que o governador disse que torna necessário dar-lhe ampla autoridade para ajustar periodicamente os pagamentos, à medida que o Estado aprende quanta receita tributária realmente está sendo gerada no decorrer do ano.

O Legislativo liderado pelos democratas aprovou resoluções domingo e segunda-feira que lhes permitirão votar em muitas circunstâncias sem estar fisicamente presente no Senado ou na câmara da Assembleia.

A medida foi uma resposta a preocupações com a disseminação do coronavírus, que infectou pelo menos cinco legisladores — quatro na Assembleia e um no Senado.

Segundo as leis estaduais, os parlamentares têm seus salários retidos quando o orçamento está atrasado. Esse pagamento é liberado quando um plano final de gastos entra em vigor.

Reforma da fiança ainda está em jogo

Cuomo sugeriu na terça-feira que ele e os líderes legislativos continuem a negociar possíveis mudanças nas leis de reforma da fiança do estado, o que impediu os juízes de exigir que os réus pagassem fiança em dinheiro por muitos crimes.

Os defensores da reforma da fiança pediram a Cuomo e aos legisladores que resistissem às mudanças no novo sistema, argumentando que as leis anteriores do estado penalizavam injustamente muitos réus que eram considerados inocentes e mantidos na prisão simplesmente porque não podiam pagar a fiança.

Até mesmo autoridades policiais, muitas das quais criticaram profundamente as novas leis de fiança, pediram que Cuomo e os legisladores fossem mais deliberados, pedindo-lhes que negociassem a fiança e outras reformas da justiça criminal fora do processo orçamentário.

Patrick Phelan, chefe de polícia do condado de Monroe, na cidade de Greece, pediu aos líderes estaduais que negociem mudanças após a crise do coronavírus passar.

“Nós pedimos veementemente as emendas necessárias às reformas da justiça criminal do ano passado, mas preferimos que elas sejam feitas em um processo calmo e deliberado após a crise ter diminuído”, disse Phelan, presidente da Associação Estadual de Chefes de Polícia.

Leia também:

Vendas de cannabis atingem novos recordes nos EUA e no Canadá

#PraCegoVer: fotografia (em destaque) de um cultivo de maconha com foco em uma inflorescência que está no primeiro plano e ao centro; as plantas de cannabis preenchem quase toda a foto, podendo-se ver, além delas, apenas parte de uma parede vermelha, ao fundo. Imagem: Mateo Avila Chinchilla | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!