Produtos de CBD sem receita melhoram sono, ansiedade e dor, segundo estudo

Fotografia, em visão aérea, mostra vários frascos de produtos de CBD de diversas cores e tamanhos, além de folhas de maconha e cápsulas oleosas de cor laranja-escuro, sobre uma superfície rosa irregular. Foto: Nataliya Vaitkevich / Pexels.

Um estudo controlado randomizado realizado de forma virtual com dados coletados do mundo real mostra que os participantes experimentaram melhorias significativas com o uso de canabidiol vendido sem prescrição médica. Informações do Medscape Medical News

Os produtos de canabidiol (CBD) vendidos sem receita nos EUA parecem melhorar a dor, o sono e os distúrbios de ansiedade, sugerem pesquisas preliminares.

Descobertas provisórias do Advancing CBD Education and Science (ACES), um estudo controlado randomizado, aberto e 100% virtual, mostram que os participantes do estudo experimentaram vários graus de melhorias “clinicamente significativas” na qualidade do sono, ansiedade e dor.

“ACES é o maior ensaio clínico já realizado em produtos de CBD comercialmente disponíveis e fornece evidências inéditas do mundo real sobre para quais condições os usuários podem se beneficiar do uso de CBD, se esses benefícios são clinicamente significativos, quais atributos dos produtos de CBD podem impactar os resultados de saúde e quais efeitos colaterais podem ocorrer”, disse a coinvestigadora do estudo Jessica Saleska, PhD, mestre em saúde pública e diretora de pesquisa da Radicle Science, a empresa que conduziu o estudo, ao Medscape Medical News.

 

 

Evidências escassas

Apesar do crescente tamanho do mercado de produtos de CBD comercialmente disponíveis, “ainda há dados escassos sobre a eficácia dos produtos canabinoides vendidos sem receita devido às limitações de custo, velocidade e escala da abordagem atual à pesquisa científica”, disse Jeff Chen, doutor em medicina, MBA e cofundador e CEO da Radicle Science.

Um dos objetivos do estudo, disse Ethan Russo, doutor em medicina, neurologista, fundador/CEO da CReDO Science e consultor científico da Radicle, é ajudar os consumidores a tomar decisões informadas antes de comprar e usar produtos de CBD orais comercialmente disponíveis.

Leia também: Pode não haver tanto CBD quanto você pensa nesse produto

Projetado para eliminar toda a infraestrutura física, o que minimiza custos e facilita a execução mais rápida, o ACES foi conduzido de forma semelhante a um ensaio clínico de fase 4, reunindo dados do mundo real coletados ao longo de 4 semanas.

“O processo que os cientistas da Radicle têm avançado é uma espécie de abordagem de crowdsourcing para fazer ciência clínica”, disse Russo. “Esperamos que haja uma quantidade considerável de dados gerados que afetarão as opções de compra das pessoas”.

O estudo também teve como objetivo avaliar os atributos do produto, incluindo composição, modo de uso, dosagem, tempo de dosagem e frequência, e sua correlação com os graus de resultados.

Russo explicou por que a composição do produto é um fator importante, especialmente quando se trata de CBD. “O que acontece com qualquer preparação [de CBD] será totalmente uma função de outros componentes, se houver”, disse ele.

“Por exemplo, há essa noção equivocada de que o canabidiol é sedativo; não é. O canabidiol puro é estimulante em quantidades baixas e moderadas. Onde surgiu a confusão é que os primeiros quimiovares contendo canabidiol também eram predominantes em mirceno, o terpeno sedativo, criando essa impressão errônea de que é bom para dormir”, acrescentou.

No entanto, o CBD também pode afetar o sono, reduzindo a ansiedade que interfere nele. “O que está claro é que o canabidiol é um agente antiansiedade, se você tiver uma dose suficiente”, disse Russo.

CBD, o queridinho da cannabis medicinal

O estudo de quatro semanas incluiu 2.704 participantes com 21 anos ou mais, autorrelato de ansiedade, dor crônica ou distúrbios do sono como a principal razão para tomar CBD. Os participantes do estudo foram aleatoriamente designados para receber um dos 13 extratos orais de CBD disponíveis comercialmente.

Os participantes foram alocados em uma das 14 coortes, compostas por 13 grupos de tratamento com 208 participantes cada que receberam um único produto de CBD e um grupo de controle de 296 participantes que receberam o produto no final do estudo.

O resultado primário concentrou-se em mudanças “clinicamente significativas”, que foram definidas como “melhorias distintas e palpáveis ​​na qualidade de vida por meio de melhorias nos respectivos resultados de saúde”.

Os resultados secundários incluíram alterações no sono, ansiedade e dor com base em vários índices validados, incluindo o formulário reduzido do PROMIS (sistema de informação de medição de resultados relatados pelo paciente) para o sono, escala PROMIS ansiade, impressão de mudança global do paciente (PGIC); escala de dor, prazer, atividade geral (PEG), e a escala de transtorno de ansiedade generalizada 7 (GAD-7).

Os resultados provisórios do estudo são promissores, com os participantes relatando, em média, uma melhora de 71% no bem-estar. Além disso, 63% relataram melhorias clinicamente significativas na ansiedade e 61% na qualidade do sono. Os produtos de CBD forneceram benefícios menores no controle da dor, com menos da metade (47%) experimentando melhorias significativas.

Leia também: Dor, insônia e ansiedade são as razões mais comuns para uso de cannabis por idosos

Além da melhora do sono, dor e ansiedade, esses dados destacam a rapidez com que os benefícios ocorreram; a maioria foi realizada durante a primeira semana do estudo, com até 61% dos participantes do grupo de tratamento relatando um efeito terapêutico dentro de 1 a 4 horas após tomar o produto designado.

Superando o efeito placebo

Comentando a pesquisa para o Medscape Medical News, Justin Strickland, PhD e professor assistente de psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade Johns Hopkins, que não esteve envolvido na pesquisa, disse sem saber muito sobre a farmacologia dos produtos testados que melhorias nessas medidas, como o comprometimento do sono, são comuns.

“Existem alguns dados que sugerem que há um efeito de expectativa quando falamos sobre o benefício terapêutico dos produtos canabinoides (ou seja, quando alguém tem a expectativa de que experimentará um efeito mais forte), mas isso é verdade para qualquer droga em um teste de rótulo aberto”, acrescentou Strickland.

Ainda assim, Strickland e Russo destacam o fato de que o ACES reflete a experiência do mundo real, que eles esperam que informe o uso de CBD e preparações baseadas em CBD no futuro. Ao remover certas barreiras, como burocracia institucional ou restrições de financiamento federal inerentes ao desenho de estudo controlado randomizado mais tradicional, o ACES pode fornecer dados que preenchem a lacuna entre eficácia e efetividade.

Leia mais:

Canabinol protege células cerebrais do envelhecimento, diz estudo

#PraTodosVerem: fotografia, em visão aérea, mostra vários frascos de produtos de CBD de diversas cores e tamanhos, além de folhas de maconha e cápsulas oleosas de cor laranja-escuro, sobre uma superfície rosa irregular. Foto: Nataliya Vaitkevich / Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!