Custo de produtos de cannabis cai mais de 40%, segundo levantamento

Fotografia mostra um frasco transparente contendo óleo amarelo e um conta-gotas com a mesma substância sendo segurando logo acima, além de um ramo de cannabis e um estetoscópio, que aparecem junto ao vidro em uma superfície de madeira. Imagem: Vecteezy / Tinnakorn Jorruang.

A pesquisa, feita com mais de 35 mil pacientes durante dois anos, mostrou que o custo médio dos produtos de cannabis caiu para cerca de R$ 300

De acordo com um levantamento feito pela Cannect, um marketplace de cannabis, o custo médio do tratamento com cannabis no Brasil teve uma redução de 41% em dois anos (entre novembro de 2021 e novembro de 2023).

A pesquisa foi realizada com uma base de dados de 35 mil pacientes atendidos durante o período, e revelou que o custo médio mensal dos produtos caiu de R$ 508 para aproximadamente R$ 300.

Queda que também pode ser vista no preço do frete. Segundo o levantamento, houve uma contração de 70% no valor do envio dos produtos durante o período analisado, que passou de R$ 400 para R$ 120.

Os valores medianos relacionados às consultas médicas também sofreram modificações. O custo mínimo de R$ 300 transformou-se em R$ 175.

Leia também: A maconha é tão eficaz quanto os opioides no tratamento da neuropatia, sugere estudo

Por trás da redução

De acordo com o CEO da Cannect, Allan Paiotti, a redução pode estar relacionada à quebra de tabus sobre o tema. Com o aumento de estudos científicos sobre o tema, mais médicos estão mais abertos para o método terapêutico, por exemplo.

Em 2015, quando as primeiras regulações sobre o tema foram estabelecidas no país, poucos profissionais tinham conhecimento sobre a prescrição, o que restringia a diversificação de especialistas e elevava o custo. Com mais médicos prescritores, o paciente se beneficia com o acesso”, explica.

O mercado também tem mirado na cannabis medicinal, o que elevou a concorrência e, consequentemente, favoreceu o consumidor final.

Depois que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a venda dos produtos nas farmácias no final de 2019, dezenas de farmacêuticas já solicitaram uma autorização para vender os seus produtos.

Atualmente, mais de 20 produtos de cannabis já estão disponíveis para a compra nas drogarias e a tendência é só aumentar.

Leia mais: Farmácia é autorizada a manipular produtos à base de cannabis

Valor ainda é alto

Por outro lado, o valor ainda é alto para boa parte da população, que precisa buscar alternativas como associações ou judicialização para o custeamento pelo plano de saúde ou pelo estado.

O estado de São Paulo, por exemplo, atingiu um recorde de gastos em 2023 de R$ 26 milhões com processos judiciais. Mas as ações são impetradas em todo o país. De acordo com um levantamento da Kaya Mind, o SUS (Sistema Único de Saúde) gastou 80 milhões de reais no ano passado.

Embora o tratamento tenha se tornado mais acessível para a população, o custo ainda é um desafio para os pacientes mais carentes, impedindo o benefício amplo e irrestrito para quem depende exclusivamente do SUS”, acrescenta o CEO da Cannect.

Por causa disso, vários estados têm aprovado leis para disponibilizar os produtos nas redes públicas. Os estados do Acre, Rondônia, Roraima, Tocantins, Alagoas, Piauí, Sergipe, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Paraná e Espírito Santo, e até o Distrito Federal, já possuem leis de fornecimento gratuito de medicamentos à base de cannabis.

Veja também:

Cannabis X Escitalopram: É possível substituir?

Imagem em destaque: Vecteezy / Tinnakorn Jorruang.

mm

Sobre Cannalize

A Cannalize é um portal segmentado com o foco em trazer educação ao público, tanto sobre a cannabis medicinal quanto o uso adulto. O objetivo é responder todas as dúvidas sobre o universo canábico, desmistificar mitos e informar de forma embasada em e ancorada em especialistas e pesquisas científicas.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!