Canadá completa cinco anos de legalização da maconha com balanço positivo

Fotografia mostra uma porção de buds de cannabis (maconha) em tons de verde e laranja sobre uma superfície toda estampada com bandeiras do Canadá. Imagem: Waking Times.

Após cinco anos desde que regulamentou o uso adulto de cannabis, o país observa uma drástica redução dos crimes relacionados à planta e o enfraquecimento do mercado ilícito

Nessa terça-feira, o Canadá completou cinco anos de legalização do uso adulto de maconha. A Lei da Cannabis (Cannabis Act) legalizou o uso social e as vendas da planta no país em 17 de outubro de 2018.

Os principais objetivos da lei são manter a cannabis fora do alcance dos jovens, enfraquecer o crime organizado e proteger a saúde e a segurança públicas, fornecendo acesso a maconha produzida com controle de qualidade.

A agência de estatística do governo canadense, Statistics Canada, divulgou novos dados sobre os impactos sociais, de saúde e econômicos da cannabis legalizada.

De acordo com a agência, o uso de maconha entre jovens de 15 a 17 anos não aumentou após a legalização, enquanto em outras faixas etárias o consumo vem aumentando desde 2011. Os canadenses com entre 18 e 24 anos, por sua vez, apresentaram uma queda no uso de cannabis após o ano de 2019.

Leia mais: Uso de maconha entre jovens adultos diminuiu no Canadá após legalização

A pesquisa revela ainda que o mercado regulamentado de maconha para uso adulto vem corroendo continuamente a participação do mercado ilícito.

Enquanto no final de 2018 havia menos de 200 lojas legais de maconha no país, em 2023 mais de 3.300 estabelecimentos estavam em funcionamento, segundo o levantamento. Isso soma-se ao fato de que a pesquisa nacional divulgada pelo governo canadense em dezembro revelou que apenas 5% dos consumidores de cannabis adquiriram produtos do mercado ilegal nos últimos doze meses (uma diminuição de 7% em 2021 e 9% em 2020).

Contudo, o álcool continua a ser a droga de uso social preferida dos canadenses, com os dados revelando que as vendas no varejo de maconha para uso adulto ainda representam uma pequena fração das vendas de bebidas alcoólicas.

No segundo quadrimestre de 2023, os canadenses compraram pouco mais de CA$ 1 bilhão em maconha para uso social. Isso se compara com quase CA$ 7 bilhões em compras de cerveja, vinho e outros produtos alcoólicos.

O último levantamento da agência canadense sobre os impostos arrecadados com as vendas de cannabis para uso adulto mostra que entre abril de 2021 e março de 2022 os governos federal e provinciais arrecadaram CA$ 1,6 bilhão em receitas oriundas do mercado regulamentado de maconha.

Leia também: Canadá: órgão regulador quer estimular a competitividade na indústria da cannabis

A importância econômica da cannabis regulamentada para o Canadá pode ser melhor avaliada em um relatório da empresa de consultoria Deloitte divulgado em 2022. O documento estimou que a maconha adicionou CA$ 43,5 bilhões ao produto interno bruto do país desde a legalização do uso adulto.

As flores secas foram o produto de cannabis mais consumido pelos canadenses, segundo a pesquisa nacional realizada em 2020, quando 7 em cada 10 consumidores de maconha disseram usar a maconha in natura. O levantamento também viu 41% dos entrevistados relatando consumir comestíveis canábicos.

“Ao proporcionar aos consumidores adultos a opção de comprar uma gama mais ampla de produtos legais de cannabis a partir de outubro de 2019, [o governo] ajudou a indústria legal a competir com o mercado ilegal”, diz o relatório da Statistics Canada.

Em 2019, o governo canadense alterou os regulamentos de cannabis para permitir a comercialização de comestíveis, extratos e produtos tópicos de maconha.

Os dados levantados pelo governo mostram, no entanto, que fumar ainda é o método mais comum de consumir cannabis no Canadá, seguido por comer e vaporizar com uma caneta vape ou cigarro eletrônico.

Leia mais: Vendas de maconha no Canadá batem novo recorde anual atingindo CA$ 4,5 bi em 2022

Entretanto, o número de canadenses que consomem maconha diariamente não aumentou após a legalização. Em junho de 2019, oito meses após a promulgação da lei da cannabis, 18% dos entrevistados que consumiram a planta no ano anterior relataram consumo diário, um número que praticamente se manteve o mesmo em todos os anos desde 2017.

Além disso, o consumo de maconha nos últimos 12 meses entre jovens de 16 a 19 anos voltou aos níveis anteriores à legalização em 2021 e 2022, após aumentar entre 2018 e 2020, segundo a pesquisa nacional.

Dito isso, o novo relatório também destaca como a legalização diminuiu a incidência de crimes relacionados à maconha. Em 2017, a taxa de delitos de cannabis reportados pela polícia canadense era de 136 ocorrências para cada 100 mil habitantes, já em 2022 esse número caiu para 28. “Ao permitir a posse de cannabis legal para adultos, a Lei da Cannabis mantém os canadenses que consomem cannabis fora do sistema de justiça criminal”, afirma o documento.

Uma pesquisa separada, conduzida por pesquisadores da Universidade McMaster e publicada no mês passado, mostra que os jovens adultos que usavam maconha com frequência antes da legalização “exibiram reduções substanciais no uso e nas consequências” relacionadas à cannabis após a mudança de política.

Ainda outro estudo, divulgado em março na revista Addiction, revelou que a implementação da venda de maconha para uso adulto no Canadá não está associada ao aumento nas hospitalizações relacionadas a acidentes de trânsito, derrubando outro mito propagado pelos proibicionistas.

Veja também:

Strain de maconha com maior teor de THC faz sucesso no Uruguai e supera expectativas de vendas

Imagem de capa: Waking Times.

mm

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!