Montevidéu recebe 4ª edição do Festival Internacional Cinecannábico

Ilustração de capa mostra composta de imagens de disco voadores em um céu escuro e estrelado, no centro da imagem a informação "FICC Festival Internacional Cinecannábico" www.ficc.ar Montevideo 19 al 23 de octubre de 2022, e, no rodapé da imagem uma sequência de flores de cannabis, cogumelos e outras plantas. Crédito: vídeo divulgação FICC Festival

De 19 a 23 de outubro, o 4º Festival Internacional Cinecannábico apresenta, em salas de cinema da capital uruguaia e exibições ao ar livre, uma seleção de 29 títulos de 15 países, divididos em cinco temas centrais

Um festival de cinema que nasceu com o propósito de apresentar a perspectiva dos direitos dos usuários de cannabis e romper estigmas sociais e culturais chega à quarta edição com a proposta de debater o proibicionismo vigente nas políticas de drogas. Por isso, o 4º Festival Internacional Cinecannábico (FICC), que acontece em Montevidéu entre os dias 19 e 23 de outubro, aborda o uso de substâncias de maneira ampla, sob a ótica da redução de danos, da saúde mental, dos negócios e dos interesses por trás disso.

“A situação da cannabis em relação às leis e direitos mudou felizmente nestes quatro anos em vários países e claro que o Uruguai, pioneiro na regulação, já superou muitos tabus”, diz o comunicado do FICC. “Por isso, acreditamos que devemos sair do armário, e o cinema é sempre um aliado”.

Dividida em cinco seções temáticas, a programação do festival vai trazer 20 estreias no Uruguai e três competições, com jurados renomados.

A seção “Fumaça”, que preserva o espírito inicial do FICC, traz filmes especialmente ligados ao uso adulto ou recreativo e terapêutico de cannabis: “Amazon Rasta” (Brasil) é o documentário em competição nesta seção. Sob o tema “Música: Cannabis e arte”, estão os videoclipes com temática canábica, além do documentário “Espíritu Inquieto” (Uruguai). Na seção “Outras viagens”, as produções cinematográficas que abordam outras substâncias: cogumelos, tabaco, álcool. O filme “Lunáticos” (Uruguai/México/Argentina), em estreia no Uruguai, questiona os conceitos de saúde mental.

Em “Proibido Proibir”, seção que fala claramente sobre proibicionismo, o filme mais emblemático é “Mateína” (Uruguai), que propõe um futuro onde o mate é proibido no Uruguai, revelando com esse gesto o absurdo da proibição como política. “La Danza del Cocuy” (Venezuela) aborda uma planta sagrada dos povos nativos da Venezuela que foi proibida por décadas, e o curta-metragem “Should I say that I use other drugs?” (Peru) fará a abertura do evento. Por fim, na seção “Terra”, o vínculo com o solo, seus frutos, e também o outro lado, do poder e da exploração, estão representados em “The Harvest” (Itália) e “Trimmigrants” (Argentina).

Confira, a seguir, o registro do Cannabis Monitor Brasil da última edição do evento:

Leia também:

“Mateína” imagina como seria a realidade se a erva-mate fosse proibida

#PraTodosVerem: Ilustração de capa mostra composta de imagens de disco voadores em um céu escuro e estrelado, no centro da imagem a informação “FICC Festival Internacional Cinecannábico” www.ficc.ar Montevideo 19 al 23 de octubre de 2022, e, no rodapé da imagem uma sequência de flores de cannabis, cogumelos e outras plantas. Crédito: vídeo divulgação FICC

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!